Barrancos recebe I Congresso Internacional dos Recursos Silvestres do Mediterrâneo

Barrancos recebe I Congresso Internacional dos Recursos Silvestres do Mediterrâneo

O primeiro Congresso Nacional dos Recursos Silvestres do Mediterrâneo arranca esta quinta-feira, 13, em Barrancos, para debater até sexta-feira, 14, as potencialidades e a valorização de recursos como o mel, cogumelos, plantas e frutos silvestres.
Promovido pela Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM) e pela Câmara de Barrancos, o congresso terá lugar no cine-teatro municipal da vila raiana e juntar proprietários, técnicos, investigadores, professores, empresários e agentes locais.
Fonte da Associação de Defesa do Património de Mértola (ADPM), promotora do encontro, explica que este pretende debater as potencialidades, a gestão e a valorização dos recursos silvestres do Mediterrâneo nas vertentes relacionadas com as actividades económicas e de investigação e como "valor integrado para a diferenciação nos processos de produção e transformação dos produtos locais de excelência".
O congresso quer "contribuir para a construção de territórios sustentáveis e multifuncionais", refere a mesma fonte da ADPM, sublinhando que a apicultura e o aproveitamento, a produção, a transformação e a comercialização de cogumelos e plantas e frutos silvestres são "fortes factores de desenvolvimento numa lógica de sustentabilidade territorial".
As potencialidades dos cogumelos, das plantas aromáticas e medicinais e dos frutos silvestres e a importância dos recursos silvestres na dieta mediterrânica são temas em debate no primeiro dia do congresso, enquanto que no segundo dia os participantes irão falar da investigação, da emergência de produtos diferenciadores, das potencialidades económicas e da abordagem aos mercados nacional, europeu e internacional dos recursos silvestres.
Este congresso é promovido através do projecto "Valorização dos Recursos Silvestres do Mediterrâneo – Uma estratégia para as áreas rurais de baixa densidade do Sul de Portugal", que pretende contribuir para a "valorização económica" dos recursos endógenos dos territórios do Baixo Alentejo e interior do Algarve.
O projecto, no âmbito do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos (Provere), envolve a Câmara de Almodôvar, o "chefe-de-fila", os municípios alentejanos de Barrancos e Ourique e os algarvios de Loulé, Silves e São Brás de Alportel e vários parceiros públicos e privados, como a ADPM, a entidade dinamizadora.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima