Autarcas de Beja exigem reinício das obras do IP2 e IP8 (ACT.)

Autarcas de Beja exigem

A Assembleia Municipal de Beja exige que o Governo assuma os seus compromissos e reinicie "rapidamente" as obras no IP2 e na A26/ IP8, que estão paradas desde 2011.
A exigência surge em duas moções , uma apresentada pelos eleitos da CDU e outra pelos do PS, ambas aprovadas na mais recente reunião da Assembleia Municipal de Beja.
No caso da moção da CDU, aprovada por unanimidade, é lembrado que a Estradas de Portugal (EP) anunciou no passado mês de Maio que as obras de requalificação do IP2 e de construção de alguns lanços da A26, incluídas na subconcessão do Baixo Alentejo, seriam retomadas em Julho deste ano, mas "ainda nada aconteceu".
"De acordo com informação obtida junto das entidades responsáveis e do Governo, as obras não recomeçam tão cedo, não sendo indicada qualquer perspectiva, a não ser a sua conclusão em 2016", refere o documento.
Por isso, a Assembleia Municipal de Beja, através da moção da CDU, exige que "o Governo assuma de uma vez por todas os seus compromissos, dando rapidamente início ao retomar dos trabalhos" nas estradas, as quais considera serem "da maior importância para o desenvolvimento" do Alentejo e do país.
Segundo a moção da CDU, o IP2 e a A26/ IP8 são "eixos fundamentais para o desenvolvimento" do concelho de Beja e de toda a região Alentejo e a decisão da suspensão das obras traduziu-se "numa perda de qualidade de vida das populações locais que viam nelas factores de progresso e desenvolvimento".
Nas obras do IP2 e da A26/ IP8 "já foram gastos muito milhões de euros" e "a degradação gerada pelo abandono [das empreitadas] leva a gastos suplementares, inadmissíveis quando o país se encontra em crise, traduzindo-se em mais um desperdício de dinheiros públicos".
Já a moção apresentada pelo PS, também aprovada por unanimidade, é argumentado que a paragem das obras do IP2 e da A26/ IP8 "se traduz num enorme prejuízo global para a região, que vai do campo económico ao ambiental", além de ter aumentado a "insegurança rodoviária" e representar "um claro desperdício de investimento de recursos públicos", tendo em vista o conjunto de obras de arte por concluir.
Tudo isto, leva a Assembleia Municipal de Beja a "exigir ao Governo o recomeço imediato das obras em todos os troços inacabados" do IP2 e da A26/ IP8, uma vez que, segundo a moção do PS, "a conclusão destas vias rodoviárias é fundamental para o desenvolvimento da região e melhor aproveitamento das suas estruturas económicas".

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima