Associação de Voleibol do Alentejo nasce em Castro Verde

Associação de Voleibol do Alentejo nasce em Castro Verde

Ajudar clubes, escolas e autarquias e, sobretudo, dinamizar o desenvolvimento da modalidade na região são os grandes objectivos da recém-criada Associação de Voleibol do Alentejo (AVAL).
A instituição, que no final do mês de Maio foi admitida como sócia na Federação Portuguesa de Voleibol (FPV) por troca com a congénere de Évora, que foi excluída, está sediada em Castro Verde e vai abranger os distritos de Beja, Évora, Portalegre e Setúbal.
“A FPV fez-me um convite para a criação de uma associação que, de certa forma, regulamentasse, gerisse e promovesse o voleibol na região. E agora estamos em fase de instalação e a tratar das devidas formalidades”, revela ao “CA” o presidente da AVAL, Paulo Pinho, garantindo que só falta mesmo encontrar um espaço próprio para a instituição poder começar a laborar em pleno.
“Esperamos que a autarquia [de Castro Verde] nos possa ajudar”, admite.
Segundo Paulo Pinho, a nova AVAL foi um “projecto amadurecido durante muito tempo”, fruto do “aumento do interesse pela modalidade na região”.
A escritura de constituição da associação foi lavrada a 13 de Maio e depois de cumpridas as formalidades burocráticas a instituição vai avançar para o “terreno”, no sentido de poder “dar apoio a clubes, escolas e autarquias”.
A estratégia, explica o presidente, passa por tirar partido da “simplicidade” do projecto “Gira-vólei” e promover a modalidade junto das autarquias.
Ao mesmo tempo, a AVAL quer dinamizar a reactivação de clubes e de secções de voleibol já existentes, assim como dar espaço à criação de novas colectividades, existindo já mais de uma dezena de intenções de filiação na associação, sejam clubes ou câmaras municipais.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima