António Bota: “Festival para combater a iliteracia”

António Bota: “Festival para combater a iliteracia”

Que razões levaram a Câmara de Almodôvar a criar este festival?
Temos vindo a afirmar uma estratégia de promoção do nosso concelho e dos seus patrimónios como factores de desenvolvimento. E é nessa estratégia que se insere a organização de um festival desta natureza, que faz a celebração da língua portuguesa a partir de uma realidade única que interessa potenciar: as escritas do Sul, que o Museu das Escritas do Sudoeste revela como um acontecimento relevante na evolução da humanidade.

Qual a mais-valia desta iniciativa?
Essencialmente o combate à iliteracia e a promoção da leitura junto dos públicos mais jovens. É um problema que se transforma em desafio, porque precisa de uma intervenção permanente e de criação de eventos que destaquem a necessidade de contactos com autores e livros. E sendo Almodôvar o epicentro das escritas do Sudoeste, seria contrário a qualquer estratégia de promoção deste património histórico ignorar os novos desafios da leitura e da língua portuguesa. Com este festival pretendemos valorizar a universalidade da língua portuguesa, não apenas nos espaço lusófono, mas também nos novos desafios das migrações e na aceitação da nossa língua junto de outros cidadãos, no reconhecimento do ensino do português como língua viva em vários países europeus.

Espera muita gente a assistir às diversas actividades agendadas?
Não obstante tratar-se de uma primeira edição, concebemos um programa bastante atractivo em todas as suas componentes, com figuras de bastante renome nacional e internacional e temáticas extremamente interessantes. Esperamos uma forte adesão da população, quer do nosso concelho quer de concelhos limítrofes.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima