Alentejo Sudoeste: Candidaturas ao PRODER correspondem às expectativas

Alentejo Sudoeste: Candidaturas ao PRODER correspondem às expectativas

A execução do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) no Sudoeste Alentejano “está a corresponder às expectativas, sobretudo ao nível da procura e interesse manifestados pelas empresas e outras organizações do território”. Esta é a conclusão da ESDIME, entidade gestora deste processo nos concelhos de Almodôvar, Aljustrel, Castro Verde, Ferreira do Alentejo, Odemira e Ourique.
No primeiro concurso do PRODER, que aponta para a diversificação da economia e criação de emprego, foram aprovadas candidaturas na ordem de 1,5 milhões de euros, correspondente a 22 projectos que representam um investimento total que, considerada a comparticipação dos promotores, ascende a 2,6 milhões de euros. Já no que diz respeito aos projectos para melhoria da qualidade de vida, as candidaturas com “luz verde” chegaram aos 606 mil euros, tendo sido aprovado um investimento total de 890 mil euros em 15 projectos que criam 13 postos de trabalho.
No segundo concurso do PRODER, que terminou a 30 de Dezembro último, a área que propõe a diversificação da economia e criação de emprego, teve homologadas candidaturas na ordem de 6,3 milhões de euros, correspondente a 31 projectos. Destas, está contemplada uma despesa pública de 3,6 milhões de euros. Quanto aos projectos para melhoria da qualidade de vida, os investimentos candidatados atingem 1,3 milhões, a que corresponde uma despesa pública de 942 mil euros de 21 candidatos.
Para Isabel Benedito, coordenadora da Equipa Técnica PRODER da Esdime, estes números “excedem claramente os montantes disponíveis, nos concursos já concluídos”. E isso, acrescenta, “é claramente positivo”.
A responsável não nega, contudo, que “existem também aspectos menos positivos, que decorrem da lógica mais burocrática e mais centralizada de gestão do programa, em comparação com aquilo que é a história do LEADER. Segundo explica, este novo quadro “deixa aos GAL e às parcerias territoriais pouca margem de manobra para uma mais célere e eficiente gestão do programa”.
“Esta situação acarreta demoras excessivas nos processos de análise e contratação, incontornáveis à luz dos procedimentos obrigatórios”, assume.

Apesar de tudo, Isabel Benedito considera “assinalável” o contributo dado pelo Eixo 3 do PRODER ao nível da criação de emprego local sustentável e na dinamização de actividades empresariais. Segundo explica, isso comprova-se “em sectores-chave para o futuro da região”, como o turismo em espaço rural.
“Será interessante analisar, no futuro próximo, o impacto desta linha de financiamento na criação e desenvolvimento de unidades de alojamento classificado TER nesta sub-região, comparando os dados de 2008 e de final de 2013”, destaca.
Refira-se, ainda, que em termos territoriais, no primeiro como no segundo concurso, o concelho de Ferreira do Alentejo (41%) lidera o conjunto das candidaturas aprovadas, logo seguido de Aljustrel (24%). No segundo concurso, o concelho de Almodôvar encabeça o número de candidaturas aprovadas (27%), secundado por Ferreira do Alentejo (25%).
Tanto num como noutro caso, a expressiva maioria das candidaturas pertencem a empresas: 65% no primeiro concurso e 52% no segundo!

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima