“Ser bispo é um serviço, não uma forma de poder”

“Ser bispo é um serviço

D. António Vitalino Dantas cumpriu 75 anos esta quinta-feira, 3 de Novembro, e passou a bispo emérito de Beja. Em entrevista ao “CA” faz o balanço dos quase 18 anos que passou na liderança da segunda maior diocese do país.

Como encara a “mudança” para bispo emérito de Beja?
Quando em Janeiro de 2013 decidi pedir um bispo-coadjutor e não um auxiliar, que apenas me foi concedido a 10 de Outubro de 2014, sabia que em qualquer momento ele me iria suceder e por isso deixei de ficar preocupado com a minha sucessão. Agora sinto um grande alívio em deixar a responsabilidade como bispo de Beja, pois o ministério episcopal é um serviço e não uma forma de poder. Mas estarei sempre disponível para colaborar, quando me for pedido e a saúde o permitir.

Que balanço faz do seu episcopado de quase 18 anos na Diocese de Beja?
Sinto que me entreguei a esta Diocese e a este povo com todas as minhas forças, mas nem sempre consegui realizar os meus sonhos e projectos, pois um bispo tem de caminhar com o seu povo e os seus colaboradores, sobretudo o clero e os consagrados, consultando sempre os órgãos colegiais e submetendo-os ao seu conselho e aprovação. Desde o dia 10 de Abril de 1999 comecei a escrever informaticamente o meu diário, nem sempre detalhadamente, pois os múltiplos afazeres não o permitiam. Quando for emérito e tiver disponibilidade, completarei a informação, não para publicar, mas para incluir no arquivo da Diocese, para memória futura.
 
E lá estarão os problemas com que se debateu… Qual foi a maior dificuldade que sentiu nestes anos?
Desde a primeira hora percebi que a evangelização é uma missão contínua, tendo em conta todo o trabalho apostólico realizado pelo meu antecessor, D. Manuel Falcão, a quem convidei para continuar a residir na casa episcopal e que durante 13 anos me acompanhou. Concretamente, tentei dotar a Diocese com todos os órgãos previstos segundo as orientações do Concílio Vaticano II, dotando-os dos respectivos estatutos. Um dos órgãos novos na diocese é o Colégio de Consultores, com poderes deliberativos quando se trata da administração extraordinária. Tentamos desenvolver a missão apostólica com a “prata da casa”, como por exemplo, lançando um projecto de missão a partir dos colaboradores da Diocese. Outro dos projetos porque me debati foi a reorganização da comunicação e a informatização dos serviços e paróquias. Tratando-se de uma diocese extensa, mas com poucos membros activos, sobretudo nas paróquias, lancei um programa informático de administração diocesana e paroquial, dotando a cúria dos equipamentos necessários, alguns adquiridos por mim antes de vir para a diocese, iniciando alguns colaboradores no seu uso. Nesta área, de evolução e mudanças rápidas, procurei estar actualizado, a ponto de muitos me consultarem quando se tratava de enveredar pelos meios digitais.

Que vai agora fazer? Continuará por Beja ou tem outros projectos em mente?
Vou regressar a uma comunidade da Ordem do Carmo, de onde saí há 20 anos para servir a Igreja como bispo. Mas estarei sempre disponível para servir a Igreja onde for preciso e a saúde o permitir.

Leia a entrevista de D. António Vitalino Dantas na íntegra, na edição do “CA” desta sexta-feira, 4 de Novembro, já nas bancas.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima