Pulido Valente critica escolhas dos novos ministros da Saúde e da Agricultura

Pulido Valente critica escolhas dos novos ministros da Saúde e da Agricultura

O autarca socialista de Beja disse esperar que os novos ministros tenham “capacidade técnica” e “poder de intervenção muito forte” para enfrentarem os “desafios” e a “contestação” mas mostrou-se surpreendido com algumas escolhas, como para a Agricultura.
“Espero que todos os ministros tenham uma capacidade técnica acrescida e poder político, porque, na fase em que estamos, os desafios e as exigências são muito grandes”, disse à Lusa o presidente da Câmara de Beja, Jorge Pulido Valente, após ter sido conhecida a lista dos 11 ministros do novo Governo de coligação PSD/CDS-PP.
Segundo o autarca, na actual situação do país, os novos ministros “têm que ter um conhecimento muito profundo dos assuntos”, porque “é preciso trabalho muito depressa e bem” e “não têm tempo para aprender”.
Por outro lado, frisou, os novos ministros têm que ter “uma capacidade e um poder de intervenção política muito forte”, porque “vai haver muita contestação às medidas que é necessário implementar”.
“As expectativas são altas. Vamos ver se a nova equipa corresponderá ou não”, disse o autarca, mostrando-se, no entanto, “surpreendido com a atribuição de algumas pastas”, como a da Agricultura, à democrata cristã Assunção Cristas, e a da Saúde, a Paulo Macedo.
Segundo Jorge Pulido Valente, a atribuição das pastas da Agricultura e da Saúde, respectivamente a Assunção Cristas e Paulo Macedo, “parecem obviamente desajustadas”, porque “são duas pessoas que não conhecem os respectivos dossiês como deveriam”.
Jorge Pulido Valente mostrou-se “satisfeito” com a escolha do economista Carlos Moedas, natural de Beja e cabeça de lista do PSD eleito pelo distrito, para o cargo de secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro.
“Fico satisfeito, já que vamos ter um interlocutor privilegiado no Governo para apresentar as nossas reivindicações”, disse, referindo que Carlos Moedas “vai estar numa posição chave e ter poder dentro do Governo para resolver as suas promessas eleitorais”.
Por outro lado, “estou decepcionado, porque Carlos Moedas não vai honrar o compromisso de assumir o cargo de deputado, mas como secretário de Estado terá maior capacidade de intervenção em termos daquilo que são os interesses do Baixo Alentejo”, disse.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima