PSD, CDS e PS criticados por Jerónimo em Grândola

PSD

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, alertou este domingo, 11, para o “perigo de entendimento” entre PSD, CDS-PP e PS, que estarão dispostos a sacrificar a alternância e “juntar as forças” para prosseguir com uma “política de direita”.
“Já não lhes chega, de facto, a alternância. O agora governas tu, ora agora governo eu. Já não chega. Vão ter de juntar as forças para impedir que o povo português se liberte da política de direita”, afirmou o líder comunista após um almoço em Grândola.
Este “quadro” é, de acordo com Jerónimo de Sousa, apoiado por “várias vozes”, como a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, face à perda de “base social de apoio” dos partidos no Governo.
“Ou seja, não vai lá com dois, vão com três, deixando cair a alternância, o rotativismo, para impedir que o povo português se liberte da política de direita”, disse o secretário-geral do PCP.
Na edição de sábado do "Expresso", o primeiro-ministro e líder do PSD, Pedro Passos Coelho, e o secretário-geral do PS, António José Seguro, admitiram, em entrevista, acordos governamentais.
Passos Coelho disse que “o país deve ser governado no quadro da maior estabilidade possível” e lembrou que o PSD “já esteve no Governo com o PS e com o CDS-PP”.
Na mesma edição do semanário, António José Seguro lembrou que já pediu a maioria absoluta aos portugueses em Abril do ano passado e que a sua responsabilidade “é dar razão aos portugueses para que o PS a mereça” nas legislativas de 2015.
Contudo, Seguro não descartou acordos de governo.
“Não descartarei acordos de incidência governamental e procurarei acordos de incidência parlamentar”, disse.
Para Jerónimo de Sousa, a intenção do PS é “continuar a acção da política de direita”, motivo pelo qual os seus responsáveis “não prometem nada”.
O líder dos comunistas instou, por isso, os socialistas a dizerem o que pretendem fazer “em relação àquilo que foi roubado aos trabalhadores e aos reformados”, se estão dispostos a “defender os serviços públicos essenciais”, as funções sociais do Estado e o direito à saúde e à edução, e se consideram que há ou não necessidade de renegociar a dívida.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

DECO promove atendimento em Odemira

Esclarecer dúvidas sobre os direitos do consumidor em diversas áreas é o grande objetivo das sessões gratuitas de atendimento que a DECO – Associação Portuguesa

Role para cima