Prémio Terras Sem Sombra para soprano, curador e ambientalista

Prémio Terras Sem Sombra para

A mezzo-soprano espanhola Teresa Braganza, o curador de arte brasileiro Angelo Oswaldo de Araújo Santos e o ambientalista português Serafim Riem vão ser distinguidos este sábado, 5, com o Prémio Internacional do Festival Terras Sem Sombra deste ano.
A cerimónia de entrega do prémio, criado em 2011 para distinguir pessoas ou instituições que se destaquem, a nível internacional, nas áreas que compõem o "triângulo de ação" do festival, ou seja, música, património e biodiversidade, vai decorrer a partir das 18h30, no auditório do Centro de Artes de Sines.
Teresa Braganza será premiada na categoria de música, Angelo Santos na de património cultural e Serafim Riem na de salvaguarda da biodiversidade, explica o promotor do festival e do prémio – o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja – num comunicado enviado à Agência Lusa.
Segundo o Departamento do Património Histórico, Teresa Braganza, considerada a "mezzo-soprano do século" XX, é "senhora de uma voz prodigiosa" e "as suas interpretações unem técnica, graça e força expressiva".
Angelo Oswaldo de Araújo Santos, escritor, curador de arte, jornalista, advogado e gestor público, já desempenhou vários cargos públicos, como o de ministro de Estado da Cultura do Brasil.
Actualmente, Angelo Oswaldo de Araújo Santos é presidente do Instituto Brasileiro de Museus, vinculado ao Ministério da Cultura do Brasil, e do Comité Inter-governamental do Programa Ibermuseus, ligado à Organização dos Estados Ibero-americanos.
Serafim Riem foi fundador e dirigente de várias associações, como a Quercus, o FAPAS – Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens e a Sociedade Portuguesa de Arboricultura e é director da empresa O Planeta das Árvores.
Segundo o Departamento do Património Histórico, Serafim Riem "é, sem dúvida, uma das pessoas que em Portugal mais tem contribuído para a conservação da natureza, sendo um defensor estrénuo de causas ambientais, com particular atenção à conservação de espécies e respectivos habitats".
A cerimónia de entrega do prémio fecha a 10.ª edição do Festival de Música Sacra do Baixo Alentejo Terras Sem Sombra, que arrancou no passado dia 29 de Março e promoveu sete concertos, um espectáculo dramático e uma conferência em igrejas do Alentejo e acções associadas à biodiversidade alentejana nas manhãs dos dias a seguir aos espectáculos.
O Terras Sem Sombra deste ano, com o tema "Metáforas do Infinito – A Espiritualidade nas Polifonias dos Séculos XI-XX", é dedicado ao primeiro bispo de Beja, Frei Manuel do Cenáculo, que morreu há 200 anos, e assinala o 30.º aniversário do Departamento do Património Histórico.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima