PGR aponta carências no distrito judicial de Évora

PGR aponta carências

A procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, alerta para as “graves carências de magistrados e, sobretudo, de funcionários” do Ministério Público (MP), no distrito judicial de Évora, o que “tem relevância para a tramitação dos processos”.
“Na procuradoria-geral distrital de Évora há graves carências de magistrados, nalguns sítios, mas principalmente de funcionários”, admitiu Joana Marques Vidal.
A procuradora-geral da República falava aos jornalistas, em Évora, à margem da deslocação que efectuou segunda-feira, 25, àquela cidade alentejana, para várias reuniões de trabalho que decorreram no Tribunal da Relação (TR).
Ao longo do dia, Joana Marques Vidal reuniu-se com o presidente do TR, assim como com o procurador-geral distrital de Évora e o presidente do Conselho Distrital da Ordem dos Advogados.
As sessões de trabalho contaram também com a presença de procuradores-gerais adjuntos do TR e de outros procuradores, provenientes, entre outros, do Departamento de Investigação e Ação Penal, dos círculos judiciais, dos Tribunais do Trabalho e do Tribunal de Família e Menores.
Évora foi o segundo distrito judicial visitado por Joana Marques Vidal, que iniciou estas deslocações no Porto, no início deste mês, seguindo-se agora Loulé, no Algarve, já na próxima sexta-feira.
As visitas, explicou a procuradora, têm como objectivo tomar “contacto directo com os problemas que o MP tem nos diversos tribunais”, para, posteriormente, “emitir algumas orientações gerais que permitam ao MP responder de uma forma organizada e articulada”.
No distrito judicial de Évora, a procuradora-geral da República realçou existirem “graves carências materiais”, as quais, contudo, não são exclusivas desta região, pois verificam-se na “parte interior dos distritos judiciais”, em comparação com o litoral.
Segundo Joana Marques Vidal, o que é “bastante grave” no distrito de Évora é “a carência de funcionários”, já que “estão muitos a aposentarem-se”.
“Os serviços do MP não têm mesmo funcionários, em alguns sítios”, indicou.
Este “problema”, que “tem relevância na tramitação dos processos”, já foi sinalizado à ministra da Justiça, tendo Paula Teixeira da Cruz mostrado “disponibilidade” para o ter em “atenção”, disse a procuradora-geral, embora reconhecendo que as “respostas” têm sido “um pouco omissas”.
A Procuradoria-Geral da República disse que está a elaborar um documento com o diagnóstico nacional das “carências” a nível de funcionários, para entregar à ministra da Justiça.
O documento está “praticamente pronto” e deverá ser entregue à ministra “na próxima semana”, com o objectivo de contribuir para que se consiga “ultrapassar, pelo menos, os casos mais graves”, acrescentou Joana Marques Vidal.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima