Governo Civil: Manuel Monge considera decisão "legítima" mas avisa que é "uma precipitação"

Governo Civil: Manuel Monge considera decisão "legítima" mas avisa que é "uma precipitação"

O major-general Manuel Monge não concorda com a extinção do cargo de governador civil, mas aceita a decisão do novo executivo, que considera “legítima”, lembrando que essa proposta está no programa eleitoral do PSD, que foi sufragado pelos portugueses.
Por outro lado, Manuel Monge defende que o desaparecimento do cargo de governador, em termos de organização da administração pública “é uma precipitação” porque, no seu entendimento, “daqui a algum tempo ver-se-á que os governadores civis fariam falta”.
Manuel Monge, que ocupava desde 2005 o cargo de governador civil, revelou ainda que já tinha apresentado o seu pedido de demissão antes de o novo primeiro-ministro ter anunciado a decisão de não nomear novos governadores.
Refira-se que também os restantes 17 governadores civis demitiram-se dos seus cargos após o novo primeiro-ministro ter confirmado que não vai nomear ninguém para estes postos.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

ULSBA participa em projecto europeu

A Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) candidatou-se ao projecto europeu de facturação electrónica “European Hospitals adopting the e-invoicing Directive”, aprovado pela INEA

CIMBAL apresenta propostas para o PRR

A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) submeteu vários contributos ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no âmbito da consulta pública promovida ao documento.

Role para cima