Documentário faz “viagem no tempo” pela história geológica de Odemira

Um geólogo português e um fotógrafo venezuelano juntaram-se para realizar um documentário que pretende levar os espetadores por “uma viagem pela história geológica do território” do concelho de Odemira.

O resultado final é o filme “Odemira – Paisagens em 375 Milhões de Anos”, do geólogo Carlos Neto de Carvalho e do fotógrafo Jesus Salazar, que é apresentado neste sábado, 5, pelas 15h00, numa sessão com entradas livres no cineteatro Camacho Costa, naquela vila do Litoral Alentejano.

Este documentário “é uma viagem no tempo através do espaço, da imensa diversidade de paisagens do concelho de Odemira, das famosas praias aos detalhes geológicos que fazem do litoral desta região toda uma biblioteca sobre a história da Terra”, sublinha o geólogo Carlos Neto de Carvalho em declarações ao “CA”.

O projeto nasceu do estudo de salvaguarda e valorização do Património Geológico das Dunas Fósseis do Sudoeste Alentejano, que inclui ações como a geocronologia e análise de ADN antigo, moldes e replicação de registos fósseis, desenvolvido pelo Centro Português de Geo-História e Pré-História em parceria com a Câmara de Odemira.

O documentário acaba por incidir na “evolução geológica” do litoral do concelho, “revelando a história das pegadas fósseis da Praia do Malhão, a formação das falésias e do vale do rio Mira”.

“Este documentário resulta da feliz convergência de interesses entre o fotógrafo venezuelano Jesus Salazar Cabrera e o meu entusiasmo em dar a conhecer detalhes e diferentes dimensões do património natural singular existente no concelho, o qual é conhecido de muitos em alguns aspetos, mas permanece ainda muito por descobrir do que é a sua essência”, sintetiza Carlos Neto de Carvalho.

De acordo com o geólogo, este trabalho foi gravado em dois períodos distintos, “em janeiro e em junho”, sobretudo “ao nascer e ao pôr-do-sol”, para “obter a melhor luz do dia”.

Segundo o autor, o documentário acaba por fazer “uma abordagem inédita à interpretação do património geológico de Odemira”, tendo contado para tal com o apoio do Grupo de Teatro “Cabanita”, da Sociedade Recreativa S. Teotoniense, de São Teotónio.

“Eles encenaram nas condições por vezes difíceis do espaço natural e desenvolveram performances verdadeiramente deslumbrantes, dando uma fluidez orgânica à dinâmica da Terra, tantas vezes contada em milhares ou milhões de anos”, sublinha Carlos Neto de Carvalho.

Concluído este documentário, o geólogo admite que foram grandes as descobertas, desde “fósseis de pequenas conchas espiraladas de organismos marinhos” encontradas perto de Nave Redonda ao “meandro perfeito do rio Mira ou as dunas de Almograve, que, ao pôr-do-sol, parecem atingir o ponto de fusão devido à grande quantidade de óxidos de ferro”.

“Mas o que mais me surpreendeu foi o espírito colaborativo, abnegado e alegre das pessoas que vivem em Odemira”, acrescenta.

Após a apresentação do documentário, haverá uma conversa sobre “o futuro do património geológico do concelho de Odemira”. Para Carlos Neto de Carvalho, esse “futuro” deve passar “pelo seu reconhecimento enquanto precioso património que pode contribuir para a valorização territorial e para  um desenvolvimento que deve ser cada vez mais sustentável”.

“Para este reconhecimento é necessário criar formas de divulgação e de promoção, que se integrem numa estratégia para todo o concelho e para a região. A interpretação deste património geológico é fundamental para que os locais o conheçam e o entendam como elementos da paisagem a valorizar”, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima