O Outono

Sexta-feira, 10 Outubro, 2014

Vítor Encarnação

Do livro do tempo gosto das páginas sobre o Outono. Sabem-me a terra e a rábanos às rodelas com vinho branco. Gosto de molhar o meu dedo indicador na chuva e folhear os dias um a um. Gosto de os desembrulhar das madrugadas, incertos, arbitrários, umas vezes limpos, outras vezes maculados de nuvens. A lã das nuvens é tão bonita e às vezes adorava ser um pastor de nuvens vadias para as juntar no céu para que elas chovessem muito. Que me perdoe quem não gosta de chuva, mas a chuva é a lã que veste a terra nua e a aconchega.
O Outono. Essa intermitência do azul, esse descanso do sol, as reticências do calor, a rendição do restolho, a ausência das andorinhas, a suspensão do pó, a interrupção das melancias. São as folhas que caem, a claridade que mirra, o frio que se acende, as noites que crescem, os casacos que voltam a habitar os corpos, os pássaros que se calam mais. Mas toda esta morte dá vida. Há um conforto na ruína das árvores porque os homens e as mulheres também são de emoções caducas. Precisam de mudar, de descer à terra, de morrer na terra, de ser lavrados, rasgados, pelas charruas da vida, de renascer na terra, de correr água sobre eles, de caírem bolotas e orvalho sobre eles, de correrem lebres e coelhos sobre eles. Para depois despontarem esperançosos outra vez.
E quando, numa outra página lá mais à frente, o frio se soltar pelas portas abertas do tempo, os homens e as mulheres hão-de acender as lareiras para terem um sol de azinho dentro de casa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima