Corporativismo

Sexta-feira, 10 Setembro, 2021

Carlos Pinto

JORNALISTA | DIRECTOR DO "CA"

Na passada semana, em entrevista ao “Diário de Notícias”, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, anunciou a ambição do Governo de, até 2023, serem reunidas as condições necessárias para a abertura de três novos cursos de Medicina em Portugal, um dos quais na Universidade de Évora (juntamente com Aveiro e Trás-os-Montes).
No caso concreto do Alentejo, a possível abertura de um curso de Medicina em Évora não pode deixar de ser vista com bons olhos. Porque todos nós sentimos “na pele” a dificuldade que é ter consultas médicas a tempo e horas ou acesso a diversas especialidades sem ser em Lisboa ou Faro, devido à falta de médicos.
Por isso mesmo, a formação de novos clínicos na região levaria, certamente, que muitos deles acabassem por se fixar no Alto ou no Baixo Alentejo, dotando as nossas unidades hospitalares e centros de saúde de mais recursos humanos.
Curiosamente, não é assim que pensam as principais entidades ligadas ao sector, nomeadamente a Ordem dos Médicos ou o Conselho das Escolas Médicas Portuguesas. Talvez pelo facto de os seus responsáveis estarem todos nos grandes centros urbanos e nos principais hospitais, descurando que nas cidades, vilas e aldeias do interior haja uma falta evidente de médicos. E que grande parte dos que há ou são estrangeiros ou tarefeiros.
Por isso, se queremos um país homogéneo, com cada vez menos assimetrias entre litoral e interior, é preciso encontrar soluções para problemas como o da saúde, não de “resistências corporativistas”.

2. É justíssima a homenagem pública que a Câmara de Castro Verde presta neste domingo, 12, a António dos Anjos. Um dirigente exemplar, mas sobretudo um exemplo de cidadão.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima