Castrense corre para a manutenção

Castrense corre

Ainda há pouco mais de dois meses o FC Castrense fazia a festa em “dose tripla”: campeonato distrital, taça e supertaça, mas realidade é agora muito diferente, com a equipa a preparar o seu regresso ao Campeonato de Portugal/Prio. Na competição terá como objectivo máximo a manutenção, o que para o seu treinador será como ser campeão.
“Sem dúvida que a manutenção valerá como um título”, afiança, sorridente, Carlos Machado ao “CA”. E acrescenta pleno de ambição: “Queremos fazer história! Porque se no ano passado conquistámos três títulos pela primeira vez na história do clube, este ano fazer história será conquistar a permanência”.
Para já, o FC Castrense vai preparando com afinco a estreia na Série E do Campeonato de Portugal/Prio, que será a 20 de Agosto no terreno dos algarvios do Moncarapachense. A equipa leva duas semanas de trabalho e Carlos Machado não poupa nos elogios aos seus atletas.
“Os jogadores têm sido inexcedíveis na vontade de fazer mais e melhor”, diz o técnico, ciente de que ainda há muito por fazer. “Para chegar ao nível que pretendemos ainda falta muito trabalho, mas os jogadores têm-nos dado indicadores positivos de que estamos no caminho certo”, observa com satisfação.
Para já Carlos Machado tem à sua disposição 17 atletas (contando com os sete reforços já confirmados), mas não esconde que o plantel ainda está por fechar. “Está a faltar-nos um elemento para o ataque e estamos à procura. Ainda faltam três semanas para o início do campeonato e esperamos que até lá tenhamos um jogador que realmente nos venha ajudar a crescer”, confidencia.
Com ou sem mais reforços, Carlos Machado tem uma certeza: no Castrense todos querem continuar a “fazer mais e melhor”, apesar de saberem de que o nacional é muito diferente do distrital de Beja.
“No distrital o Castrense é uma equipa ‘grande’, que joga sempre para o primeiro lugar e uma equipa a abater. Obviamente que agora o paradigma muda… Mas mantemos essa ambição de fazer mais e melhor, assim como também mantemos a humildade de perceber que estamos a disputar o nacional e que não somos claramente das melhores equipas. Mas transformamos tudo isto em ilusão, entusiasmo, vontade e ambição… E isso costuma trazer coisas positivas”, remata com optimismo.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima