Câmara de Beja teme que obras do IP2 e IP8 não sejam concluídas

Câmara de Beja teme que obras

A Câmara de Beja teme que as obras de requalificação do IP2 e construção do IP8, que deveriam recomeçar até ao fim de Março, nunca sejam concluídas pela Estradas de Portugal.
Representantes das câmaras de Beja, Castro Verde, Ferreira do Alentejo e Vidigueira, assim como da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo e do NERBE, reuniram esta terça-feira, 26, com a Estradas de Portugal para debater a situação de ambas as vias.
Da reunião ficou a certeza, por parte da autarquia bejense, que as obras nas duas acessibilidades “não só não se reiniciariam no final do mês como não existem garantias de aquelas vão ser retomadas brevemente e muito menos acabadas”.
Fonte da Câmara de Beja adianta ao “CA” que durante a reunião ficou assente que a não realização das obras, ao contrário do que tem sido defendido pelo Governo, “não representa poupança para os orçamentos de Estado de 2013 e 2014, mas sim um acréscimo de custos, dado que deixam de ser os consórcios a suportar os encargos, passando os mesmos para a responsabilidade das Estradas de Portugal”.
A autarquia bejense prevê igualmente que os consórcios não aceitem o memorando de entendimento proposto pelas Estradas de Portugal, pelo que “terá que ser esta última a realizar as obras”.
“Perspectiva-se que as mesmas nem daqui a um ano serão retomadas e muito menos acabadas, por motivos financeiros, técnicos e processuais”, acrescenta a mesma fonte, que considera toda esta situação “insustentável e inaceitável, até por razões de segurança rodoviária”.
Tudo isto leva a Câmara de Beja a exigir “a resolução imediata do problema pelo Governo”, sugerindo que as entidades locais e regionais aproveitem a realização da Ovibeja “para acções públicas de protesto”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima