Caixa de Aljustrel e Almodôvar teve “melhor ano de sempre” em 2021

A Caixa Agrícola de Aljustrel e Almodôvar, que opera nestes dois concelhos e também no município de Castro Verde, teve em 2021 “o melhor ano de sempre”, registando um resultado operacional de quase 1,4 milhões de euros e um aumento de quase sete por cento no volume de negócios, alcançando os 260 milhões de euros.

Os números são avançados ao “CA” pelo presidente do conselho de administração da instituição, Orlando Felicíssimo, reconhecendo que 2021 “foi o melhor ano de sempre em termos de resultados e de indicadores da Caixa de Aljustrel e Almodôvar”.

“Em termos de resultados foi um ano histórico, porque se conseguiram atingir 1,4 milhões de resultado e o volume de negócios cresceu 7%, o volume de crédito 9% e os recursos 12%. Registamos um volume de negócios de 260 milhões de euros no fecho do ano e, portanto, 2021 foi um ano bastante positivo”, diz o gestor.

O presidente da Caixa de Aljustrel e Almodôvar, que é candidato a novo mandato, destaca ainda o facto da Caixa ter igualmente cumprido com todos os rácios e indicadores que medem o desempenho e performance das instituições financeiras a operar no mercado bancário.

Além do mais, continua Orlando Felicíssimo, a entidade bancária sediada em Aljustrel conseguiu também, em 2021, “crescer em quota de mercado”, registando de momento uma quota de aproximadamente 40% “no somatório dos três concelhos” onde opera.

Para o gestor, os resultados históricos alcançados pela Caixa de Aljustrel e Almodôvar num ano económico fortemente afetado pela Covid-19 deve-se ao facto de, na região, não se ter registado “um aumento de desemprego motivado pela pandemia”.

A diversificação da atividade é outra das razões invocadas pelo presidente da administração para justificar os números positivos de 2021.  “Apesar de o setor agrícola ter um peso de sensivelmente um terço do volume de negócios da Caixa, hoje em dia atuamos em todos os segmentos de mercado” e “isso também dá alguma estabilidade e alguma resiliência à própria carteira” de negócios, afiança.

“Foi o melhor ano de sempre em termos de resultados e de indicadores da Caixa de Aljustrel e Almodôvar”, diz o presidente do conselho de administração da instituição bancária, Orlando Felicíssimo.

Depois dos excelentes resultados registados em 2021, a Caixa de Aljustrel e Almodôvar encara 2022 como um ano de “mais alguns desafios”, a começar “ao nível da supervisão bancária”.

“O crescente nível de exigência por parte das entidades de regulação e supervisão, leva a que os custos continuem a crescer”, explica o presidente do conselho de administração.

Em paralelo, diz Orlando Felicíssimo, a instituição vai proceder a “uma ligeira adaptação” da sua estrutura, ainda que mantendo a rede de agências (seis no total) e de caixas multibanco (15), bem como, o apoio às diversas instituições e associações de cariz social, desportivo e recreativo presentes na área de ação da Caixa, tal como sempre tem feito até aqui, no âmbito da sua responsabilidade social.

“As adaptações que temos que fazer são mais ao nível interno, adaptando a estrutura para conseguir responder a todos os requisitos solicitados pelo supervisor e dotar a equipa comercial de maior agilidade, para chegar mais facilmente e rapidamente às pessoas”, observa.

Orlando Felicíssimo acrescenta que, “apesar das adversidades motivadas pela situação instável que a Europa atravessa de momento”, espera que a Caixa de Aljustrel e Almodôvar “continue a ter crescimento e bons resultados, que lhe permitam continuar a solidificar os seus indicadores”.

“Porque só com uma Caixa forte é que podemos ter condições para apoiar quem vive e trabalha na região e os projetos que vão surgindo”, conclui.

Partilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima