Aulas ainda não começaram em sete escolas de Santiago do Cacém

Aulas ainda não começaram em

Os 129 alunos de sete escolas rurais do concelho de Santiago do Cacém ainda não iniciaram o ano lectivo, porque os estabelecimentos de ensino permanecem fechados devido à falta de auxiliares, denunciou a Câmara Municipal.
“O Agrupamento de Escolas informou os pais de que não há condições de segurança para o funcionamento destas sete escolas”, as quais “ainda não abriram”, disse o vereador da Educação na Câmara de Santiago do Cacém, Norberto Barradas.
Em causa estão as escolas do primeiro ciclo do Ensino Básico de Abela, Arealão, Santa Cruz, Aldeia dos Chãos, Relvas Verdes, São Bartolomeu e Cruz de João Mendes.
Segundo o autarca, contactado pela Agência Lusa, o Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém conta, este ano lectivo, “com menos cinco auxiliares”, tendo também sido “reduzidos os horários das auxiliares existentes”.
“O pessoal auxiliar atribuído para as escolas rurais fazia 28 horas, ou seja, quatro horas por cada uma das sete escolas, dando apoio na recepção das crianças, nos intervalos das aulas e nos almoços”, disse.
Só que, este ano, acrescentou, “esse horário foi diminuído para 12 horas”, o que faz com que seja “impossível manter as necessárias condições de segurança nas escolas, para que estas possam funcionar”.
Para contestar a situação, uma comitiva de pais, integrando responsáveis da Câmara, deslocou-se esta terça-feira, 16, a Évora, reunindo com a Direcção de Serviços da Região Alentejo da Direcção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE).
Contactada pela Lusa, após a reunião, a responsável da Direcção de Serviços do Alentejo da DGEstE, Maria Reina Martin, afiançou que os problemas relativos a estas escolas já foram resolvidos.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima