Vinhos do Alentejo aumentam 170% nas vendas para a China

Vinhos do Alentejo aumentam

A China já representa o quarto principal mercado externo para os vinhos do Alentejo fora da União Europeia, com as exportações a aumentarem 170% nos últimos cinco anos.
“O mercado chinês tem tido um crescimento constante para os vinhos do Alentejo, embora ainda se trate de uma base pequena de exportação”, realçou à Agência Lusa Dora Simões, presidente da CVRA – Comissão Vitivinícola Regional Alentejana.
Aludindo a dados estatísticos dos últimos cinco anos, entre 2007 e 2012, Dora Simões explicou que as exportações para a China “representaram 170% de crescimento”, o que demonstra o potencial deste mercado e a aposta por parte das empresas vitivinícolas.
“As vendas de vinhos do Alentejo têm estado sempre a crescer e a China deixou de ser o sexto para passar a ser o quarto maior mercado de exportação, no ranking de países terceiros (fora da União Europeia)”, disse.
No ano passado, de acordo com a CVRA, as exportações para o mercado chinês representaram 7,05% do total das vendas de vinhos do Alentejo (DOC Alentejo e Vinho Regional Alentejano) para fora da União Europeia.
Em volume, o Alentejo exportava para a China perto de 208 mil litros de vinho, em 2007, mas, cinco anos depois, “o mercado chinês já representa mais de meio milhão de litros”.
“Em termos absolutos, não é ainda um dos maiores mercados, mas as vendas têm aumentado e isso deve ser tido em conta”, frisou Dora Simões.
A presidente da CVRA disse acreditar que a China, tal como outros países asiáticos, vai continuar a ser, nos próximos anos, um mercado apetecível para os produtores vitivinícolas da região, que não se assustam com mercados longínquos.
“A maior parte dos mercados e aqueles para os quais o Alentejo mais exporta são mercados bastante distantes, como Angola, Brasil, Estados Unidos e China”, lembrou.
Mas, neste tipo de mercados, continuou, “é preciso tempo para conhecer bem a realidade e para desenvolver o negócio”, até porque a China “é um país caro para actuar”.
“Há que compreender e perceber bem o que é que aquele mercado quer e é necessário ultrapassar questões aduaneiras mais complexas. Ainda estamos num processo de aprendizagem em relação à exportação para a China, mas esse é um trabalho que os produtores têm feito, com êxito, e há cada vez mais interessados”, afiançou.
Com a Europa numa fase de “grande retracção do consumo”, a presidente da CVRA considerou normal que os produtores “apontem” mais longe e tentem exportar para países asiáticos, indicando que a China tem “um grande potencial de crescimento”.
“A China é um grande mercado, a sua população está a tomar mais contacto com o vinho e o poder de compra, sobretudo nos meios urbanos, é elevado. Por isso, é um país interessante e um mercado onde é fácil crescer”, disse.
E, para concretizar essa aposta, os produtores nem sequer estão já dependentes de Macau como “porta de entrada”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima