Trabalhadores da Resialentejo iniciam paralisação de três dias

Trabalhadores da Resialentejo

Os funcionários da empresa municipal Resialentejo, sedeada no concelho de Beja, iniciam esta segunda-feira, 22 de Junho, uma greve de três dias, até quarta-feira, 24.
A paralisação foi decidida no início do mês em assembleia de trabalhadores e visa demover a administração a cumprir uma série de reivindicações.
Em comunicado enviado ao “CA”, a Comissão de Greve da Resialentejo explica que a paralisação foi aprovada “por unanimidade” e visa reivindicar junto da administração da empresa uma gestão participada, o cumprimento dos estatutos em relação à criação e funcionamento do Conselho Consultivo, a extinção do cargo de director-executivo como cargo politico e a abertura de concurso público para selecção e recrutamento do mesmo, “não condicionada à duração dos mandatos do órgão executivo e com a participação e parecer vinculativo da Comissão de Trabalhadores”.
O pagamento integral das dívidas por parte dos municípios à Resialentejo, fomentar a responsabilidade social da empresa, avançar com a actualização do Acordo de Empresa, a definição de uma estratégia de médio-longo prazo com objectivos e a realização de uma reunião anual entre a administração e os trabalhadores para apresentação dos objectivos, orçamento e plano de actividades são outras das reivindicações dos trabalhadores.
Na altura em que foi anunciada a greve, o presidente do conselho de administração da empresa municipal felicitou os funcionários da Resialentejo por terem criado uma Comissão de Trabalhadores, mas lamentou que estes tenham vindo para a “praça pública” discutir questões do foro interno.
“Estamos mandatados para gerir a empresa e muitas questões colocadas são da competência do conselho de administração e não deveriam ser colocadas”, disse Tomé Pires, também presidente da Câmara de Serpa.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima