Sindicato exige a retoma da produção “em pleno” na mina de Aljustrel

Sindicato exige a retoma da produção “em pleno” na mina de Aljustrel

O sindicato dos mineiros exigiu hoje a retoma da extracção e da produção “em pleno” na mina de Aljustrel, denunciando que “ainda não saiu um grama de cobre” do complexo desde que a nova concessionária foi anunciada.
“Exigimos que a nova empresa concessionária da mina de Aljustrel retome em pleno a extracção e a produção, que estão praticamente paradas”, disse hoje à Lusa o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) Jacinto Anacleto.
Segundo o sindicalista, a mina de Aljustrel “não está a extrair minério, nem a produzir cobre em pleno”, já que “desde finais de 2008, quando foi anunciada a nova concessionária, que ainda não saiu um grama de concentrado final de cobre” do complexo mineiro.
“O pouco concentrado de cobre que até agora foi extraído da mina e tratado na lavaria continua em Aljustrel e não percebemos porquê”, disse Jacinto Anacleto.
O STIM quer saber a razão de a extracção e de a produção na mina de Aljustrel “continuarem praticamente paradas”, sobretudo “num período em que Portugal regista um défice produtivo e o valor dos vários minerais está em alta no mercado”, sublinhou.
O sindicalista falava à Lusa após uma delegação do STIM, da qual fez parte, ter reunido hoje com representantes do gabinete do primeiro-ministro, José Sócrates, e dos grupos parlamentares do PSD, BE e do PCP.
Nas reuniões, a delegação do STIM colocou várias questões relacionadas com a mina de Aljustrel, como quais os termos e as condições do negócio entre o Estado e a I’M SGPS, a proprietária da empresa concessionária das minas de Aljustrel, a Almina.
A retoma “em pleno” da produção na mina de Aljustrel, o destino dos 137 milhões de euros que o Governo disponibilizou à Almina para “criar as condições para a retoma da actividade”, a criação dos postos de trabalho prometidos e a reactivação da mina do Gavião, que “continua intacta”, foram outras questões colocadas.
“Da parte do gabinete do primeiro-ministro houve o compromisso de que as questões que colocámos vão ser encaminhadas para o Ministério da Economia e de que José Sócrates vai ficar a par da situação”, disse Jacinto Anacleto.
A delegação pediu aos representados dos grupos paramentares do PSD, BE e do PCP para “levarem as questões colocadas pelo STIM a debate político na Assembleia da República”.
Contactado hoje pela Lusa, o administrador delegado da Almina, Arménio Pacheco, escusou-se a comentar as declarações do STIM, lembrando apenas que a extracção de minério e a produção de cobre na mina de Aljustrel recomeçaram "por campanhas" em Julho de 2010, pouco mais de um ano após a retoma dos trabalhos de desenvolvimento mineiro.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima