Rota Vicentina faz aposta no BTT

Rota Vicentina

A Rota Vicentina, que atravessa todo o Alentejo Litoral, vai criar em parceria com a Câmara de Odemira uma rede com mais de 1200 quilómetros de trilhos de BTT no concelho, que deverão estar a funcionar no início de 2019. O projecto está a entrar na sua recta final e pretende transformar Odemira numa referência para a modalidade em termos nacionais.
“Odemira quer ser uma referência no BTT a nível nacional. É para isso que trabalhamos e por isso que lutamos. E estamos convencidos que com este projecto estamos cada vez mais perto de o conseguir”, admite ao “CA” Ricardo Cardoso, vice-presidente da Câmara de Odemira.
“É um reforço da nossa posição e da nossa oferta. E é também um contributo muito concreto para o nosso objectivo de descentralizar aquilo que é a oferta e procura turística do litoral relativamente ao interior”, sublinha a presidente da Rota Vicentina/ Associação para a Promoção do Turismo de Natureza na Costa Alentejana e Vicentina, Marta Cabral.
Uma opinião partilhada por Ricardo Cardoso, considerando que este projecto reúne todas as condições para combater a “sazonalidade” e afirmar a “diferenciação” da oferta turística existente no concelho de Odemira. “Acreditamos que o BTT pode ombrear com o pedestrianismo e trazer para Odemira muitos turistas. E com isso preencher a ocupação e a oferta turística em alturas médias e média-baixa”, argumenta.
A proposta que está a ser apresentada publicamente pela Rota Vicentina, no sentido de serem recolhidas sugestões e correcções, prevê a criação de 38 trilhos de BTT, num total de 1.562 quilómetros (acima dos 1.200 quilómetros inicialmente ambicionados). Estes trilhos, com vários graus de dificuldade e distância, serão divididos por cinco núcleos espalhados pelo território do concelho, atravessando todas as freguesias de Odemira e, em alguns casos, entrando pelos concelhos vizinhos de Aljezur, Monchique, Ourique, Santiago do Cacém e Sines.
Odemira será a “sede” de um dos núcleos e o local onde será construído o Centro de BTT, que servirá de base logística ao projecto. A nova infra-estrutura está avaliada em cerca de 100 mil euros e será erguida na margem esquerda do rio Mira. Este núcleo contará com 10 trilhos, num total de 503,9 quilómetros.
Em São Teotónio ficará outro núcleo, com seis trilhos (289,7 quilómetros no total) com partida e chegada no Quintalão. Já o Posto de Turismo será a “base de partida” do núcleo de Santa Clara-a-Velha, com oito trilhos (333,5 quilómetros), ao passo que o núcleo de São Luís terá partida e chegada no Largo do Mercado, incluindo cinco trilhos (157,8 quilómetros).
Finalmente, o núcleo de Colos terá partida e chegada no Largo D. Manuel I e conta com nove trilhos, num total de 277,1 quilómetros. Este núcleo tem a particularidade de incluir um sub-núcleo, sediado em Amoreiras-Gare, que contará com dois trilhos.
A criação destes novos trilhos de BTT na Rota Vicentina representa um investimento total na ordem dos 500 mil euros. O projecto tem comparticipação comunitária, através do programa regional Alentejo 2020, cabendo à Câmara de Odemira a componente nacional.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima