Regantes pedem água do Alqueva no Monte da Rocha

Regantes pedem água do Alqueva no Monte da Rocha

A Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado (ARBCAS) continua a defender que a água do Alqueva possa chegar à barragem do Monte da Rocha, no concelho de Ourique. Uma medida que, argumenta, permitiria garantir água em quantidade (e qualidade) para o abastecimento público de Castro Verde, Ourique e Almodôvar, além de parte dos concelhos de Mértola e Odemira, e para os cerca seis mil hectares de regadio servidos pelo Aproveitamento Hidro-agrícola do Alto Sado.
Tal como o “CA” revelou na sua edição de 21 de Outubro, a albufeira do Monte da Rocha está cada vez mais vazia, fruto da escassez de precipitação que tem afectado a região nos últimos anos. É precisamente esta realidade que faz o director-adjunto da ARBCAS considerar inexplicável que a expansão do projecto do Alqueva volte a deixar de fora esta parte do território.
“Nesta altura, a albufeira do Monte da Rocha será a única grande barragem do Alentejo a ser excluída dos investimentos de Alqueva para ligar a dita ‘grande mãe de água’ e assim dar garantia de abastecimento ao ‘Alentejo’”, sublinha Ilídio Martins em declarações ao “CA”.
Para esta responsável, a adução de água do Alqueva ao Monte da Rocha permitiria “garantir água de qualidade para o abastecimento público do sul do Baixo Alentejo” e, ainda, “água para a totalidade do regadio existente no Aproveitamento Hidro-agrícola do Alto Sado”.
Além do mais, continua, esta expansão iria igualmente “melhorar o eco-sistema associado à albufeira do Monte da Rocha” e a biodiversidade “que lhe está associada”, assim como viabilizar projectos turísticos “que estão parados por carência de água” na albufeira ou a instalação de unidades industriais “que venham a carecer de abastecimento de água”.
Ilídio Martins defende em simultâneo que seja criado o bloco de rega de Ourique, com mais 10.000 a 15.000 hectares de regadio, o que possibilitaria uma melhoria dos sistemas silvo-pastoris extensivos existentes. “O novo regadio permitiria a obtenção de forragens em alturas de défice, oferecendo uma maior garantia de sucesso destes efectivos”, justifica.
Para o director-adjunto da ARBCAS, estas são razões “mais que suficientes para se reflectir e encarar com determinação o empreendimento da ligação entre o sistema de Alqueva e a albufeira do Monte da Rocha, encontrando-se a melhor solução técnica e os financiamentos necessários para a execução desta obra”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima