Regantes de Odivelas não querem pagar mais pela água da barragem do Alvito

Regantes de Odivelas não querem pagar mais pela água da barragem do Alvito

A Associação de Beneficiários da Obra de Rega de Odivelas (ABORO) exige que o necessário transvase de água da barragem do Alvito para a albufeira de Odivelas, no concelho de Ferreira do Alentejo, não acarrete mais custos para os seus agricultores.
Ao longo dos anos a ABORO nunca pagou pela água proveniente do Alvito, mas para 2012 a EDIA, que irá ter a concessão da barragem do Alvito, exige o pagamento de 4,2 cêntimos por cada metro cúbico de água transferido, valor que a associação rejeita pagar devido aos seus “direitos adquiridos”.
“Queremos aquilo que temos tido todos os anos, que é um direito adquirido. E a EDIA tem de ter em consideração que a barragem [do Alvito] foi construída para ser reservatório da albufeira de Odivelas. […] É essa reserva que reivindicamos com um custo baixo, considerando que não tem custos para a EDIA, já que não é água bombada do Alqueva, mas sim água das afluências naturais da barragem do Alvito, que são da bacia do Sado”, explica ao “CA” o presidente da direcção da ABORO.
Manuel Canilhas Reis admite que a associação (e por inerência os seus associados) contribua “com algum valor para alguns custos de manutenção e conservação da rede ou da barragem do Alvito, mas nunca” o valor de 4,2 cêntimos exigido pela empresa gestora do projecto Alqueva.
“Porque este é um valor que tem a ver com a bombagem [de água] do Alqueva para o Alvito. E como não é água do Alqueva mas sim dos afluentes naturais do Alvito, sem qualquer custo energético associado, não será necessário pagar esse valor”, justifica.
A situação já fez a direcção da ABORO reunir-se com a Direcção Geral de Agricultura e a administração da EDIA, mas ainda não foi possível chegar a um acordo.
“A EDIA está intransigente e acha que tem de cobrar o valor que está no decreto-lei do Conselho de Ministros”, diz Manuel Canilhas Reis, sem esconder que espera que a nova equipa directiva da empresa gestora do Alqueva, liderada por João Basto, “tenha em consideração todas estas questões e maior sensibilidade que a administração anterior”.
Beneficiando uma área total de 12.300 hectares onde predominam as culturas do olival, tomate, melão, milho e arroz, a albufeira de Odivelas tem actualmente disponíveis perto de 14 milhões de metros cúbicos de água para rega.
Em média, o regadio na zona necessita anualmente de 35 milhões de metros cúbicos de água, quantidade que deverá aumentar significativamente em 2012 devido à ameaça (cada vez mais real) de seca.
“Este ano as previsões são de que se consuma mais água, porque ainda nem parámos de regar. Continua-se a regar neste momento as arvenses e pastagens. Portanto, prevemos que iremos consumir muita água e precisamos da água do Alvito”, revela o presidente da ABORO, que antevê para 2012 um consumo a rondar “os 40 milhões de metros cúbicos de água” no Aproveitamento Hidroagrícola de Odivelas.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima