PS do Baixo Alentejo acusa PSD de “reescrever a história”

PS do Baixo Alentejo acusa

O PS do Baixo Alentejo acusa o PSD de estar, através da sua deputada eleita por Beja, Nilza de Sena, a “fazer a caramunha” e a “tentar reescrever a história da sua governação”.
Em causa estão as recentes posições públicas da eleita social-democrata sobre as dificuldades de algumas instituições de solidariedade social (IPSSs) da região, tendo mesmo questionado o ministro do sector, Vieira da Silva, sobre o assunto.
Para os socialistas, entre 2011 e 2015 o Governo PSD/CDS aplicou “um conjunto de cortes cegos nos rendimentos e nas pensões dos portugueses” e obrigou a que muitas IPSSs e autarquias tivessem “de absorver as dificuldades das famílias”, sem que o executivo de Passos Coelho “tivesse esboçado qualquer iniciativa no sentido de ampliar os acordos de colaboração com as instituições ou de aumentar a cobertura da protecção social”.
Além do mais, continua o PS em comunicado enviado ao “CA”, entre 2011 e 2015 houve uma “redução generalizada das prestações sociais destinadas às crianças, aos cidadãos em situação de desemprego e aos idosos”.
Os socialistas criticam igualmente a forma como foi gerido o Fundo de Reestruturação do Sector Solidário, “que na fase final do mandato do anterior Governo PSD/CDS serviu para contratualizar apoios às IPSS em montantes muito superiores às disponibilidades financeiras existentes”.
“A anterior maioria seguiu na Segurança Social, a mesma linha que foi seguida na Agricultura, com os apoios agro-ambientais, ou no IEFP, com os programas de formação e de inserção profissional: prometer mais do que as disponibilidades financeiras existentes. Tudo isto em rota de convergência para as eleições legislativas de 2015. Quem vier a seguir que apague a luz”, acusam.
Tudo isto leva o PS do Baixo Alentejo a acusar o PSD de fazer, através da sua eleita por Beja, “a caramunha, com posições públicas de preocupação com as IPSSs que mais parecem lágrimas de crocodilo”.
“O PSD pode tentar reescrever a história da sua governação, mas não consegue alterar a realidade que as pessoas e as instituições viveram e vivem”, criticam os socialistas, sublinhando que agora que o actual Governo do PS “está a repor rendimentos” e a “recuperar o respeito pela autonomia do Poder Local, o PSD despertou para a vida”.
“Mais vale tarde do que nunca, mas, enquanto o governo PSD/CDS assobiava para o ar ou prometia mais do que podia, as autarquias locais e as IPSSs nunca deixaram de estar na primeira linha das respostas às pessoas, do combate à desertificação e ao envelhecimento da população e da defesa do mundo rural”, conclui o comunicado do PS.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima