PS de Castro exige que empréstimo seja para obras

PS de Castro exige que

O PS de Castro Verde espera que os dois empréstimos bancários que a autarquia local vai contratar sejam utilizados na realização de obras necessárias ao concelho.
A posição dos socialistas surge depois de a maioria CDU na Câmara e Assembleia Municipal ter aprovado, na passada semana, a contratação de um empréstimo de 900 mil euros na Caixa Geral de Depósitos e um segundo empréstimo de 800 mil euros, ainda a contratar, num total de um milhão e setecentos mil euros.
“Deste modo, a dívida bancária da autarquia irá chegar a cerca de quatro milhões de euros”, alerta o PS em comunicado, lembrando que a CDU justifica estes empréstimos “com a necessidade de resolver os problemas muitos graves na rede de águas de Castro Verde ou na estrada entre a sede de concelho e a mina de Neves-Corvo”.
“Sucede que, já em 2010 (há seis anos!) o mesmo executivo da CDU disse que ia resolvê-los até 2013”, contrapõem os socialistas, frisando que “apesar das receitas muito grandes dos impostos da Somincor (mais de 25 milhões de euros em 11 anos!), a gestão da CDU foi incompetente e nada resolveu nestas áreas, apesar das promessas nas campanhas eleitorais”.
Por tudo isto, acrescenta o PS de Castro Verde, os eleitos socialistas “exigem que estas obras sejam feitas!”
“É essa necessidade e a defesa firme do interesse das populações que justifica a nossa abstenção no pedido destes empréstimos”, continua o PS, afirmando “com toda a frontalidade que estes problemas deviam estar resolvidos há muitos anos”.
“Mas a verdade é que não estão! E isso comprova bem como a má gestão da CDU está a comprometer o futuro da autarquia devido a muitas opções erradas que foram feitas”, conclui o PS de Castro Verde.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima