Provedor da SCM Mértola elogia serviço de enfermagem

Provedor da SCM Mértola

O provedor da Misericórdia de Mértola, José Alberto Rosa, não tem dúvidas: os cuidados de enfermagem associados ao Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) da instituição são uma mais-valia para todos.

Qual a principal mais-valia do serviço de enfermagem associado ao SAD?
É um serviço que pelas características que a população tem é de facto importante e fundamental. Sobretudo por ter uma parte educativa, orientadora na medicação, no acompanhamento de certas situações crónicas, pois muitas vezes as pessoas não medem a tensão, não controlam a diabetes, não têm cuidados com a alimentação… Tudo isso é um trabalho de educação para a saúde que é feito e que de facto vem dar uma resposta positiva e um complemento ao nosso SAD.

É com projectos destes que se combate a interioridade?
Claro que sim! E se tivermos em consideração a forma como os serviços de saúde estão organizados no concelho – que tirando a extensão da Mina de São Domingos, estão todos concentrados no Centro de Saúde –, mais necessário e mais importante se torna este tipo de serviço.

Prestam este serviço sem que a Segurança Social vos pague mais por isso. Mesmo assim, é uma resposta para continuar?
Claro que sim! Foi uma ideia que surgiu por acharmos que era importante e um complemento ao serviço que prestamos no apoio domiciliário. E mesmo sabendo que a Segurança Social não o comparticipa, isso para nós é secundário. Interessa-nos fundamentalmente que os utentes tenham um bom serviço e que o nosso serviço responda às necessidades das pessoas. É isso que nos move! E mais tarde ou mais cedo a Segurança Social vai ter de reconhecer o nosso trabalho. Isso até pode fazer com que seja introduzido este tipo de serviço como um serviço normal e fundamental no apoio domiciliário.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima