Projecto em Odemira cria uma casa “móvel”

Projecto em Odemira

O informático José Caramelo prepara-se para lançar no mercado imobiliário nacional uma habitação modular, de baixo custo e eficiente do ponto de vista energético.
O projecto “Casa Automática” está sediado em Boavista dos Pinheiros, no concelho de Odemira, e começou há cerca de dois anos e meio, quando José Caramelo se apercebeu que a água desaproveitada poderia ser utilizada para controlar a temperatura interior da habitação em lugar do “tradicional” ar-condicionado.
Aos poucos a ideia foi crescendo e hoje José Caramelo está em condições de disponibilizar uma casa modular, de baixo custo e energeticamente eficiente.
“Depois destes dois anos e meio, estamos agora em condições para fazer uma casa em quatro meses”, conta ao “CA” José Caramelo.
Disponível nas versões T1 e T2 (ambas com casa de apoio e avaliadas em 85 e 95 mil euros, respectivamente), a “casa automática” apenas utiliza materiais comuns e relativamente baratos (como ferro, aço leve, lã de rocha, telhas de fibrocimento ou contraplacados) e como não necessita de fundações também não implica a impermeabilização do solo.
A eficiência energética é uma das grandes mais-valias da “casa automática” concebida por José Caramelo.
“Oferecemos o conforto que as pessoas necessitam,?sem os obrigar a gastar dinheiro em equipamentos eléctricos”, garante.
Mas há mais: este novo tipo de habitações é totalmente acessível (mesmo para quem tenha mobilidade reduzida) e… transportável!
“A casa (e tudo o que lhe diz respeito) não é um imóvel, mas um volume móvel”, explica José Caramelo, sublinhando que esta característica aumenta “a segurança de quem investe” e facilita “a mobilidade”.
Pronta a entrar no mercado, a “casa automática” tem um público-alvo bem definido: portugueses ou estrangeiros que queiram “migrar para o campo” e desenvolver “projectos de vida sustentáveis”.
“Como disse recentemente Carlos do Carmo na televisão, Portugal é um barco inclinado para o litoral. Por todas as razões temos que alterar esta situação. E este projecto pretende facilitar essa migração”, assim como “facilitar a mudança individual”, argumenta José Caramelo, que assume igualmente a ambição de levar a sua “casa automática” para outros países.
“É uma questão de tempo”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima