Presidente da CM Aljustrel: “Feira mostra o melhor que se faz no concelho”

Presidente da CM Aljustrel: “Feira mostra o melhor que se faz no concelho”

No dia em que arranca mais uma edição da Feira do Campo Alentejano, o presidente da Câmara de Aljustrel reconhece que o certame serve, sobretudo, para “juntar” os aljustrelenses e dar a conhecer o melhor que se faz no concelho. “Nestes três dias demonstramos, aos nossos e a quem nos visita, o que de melhor se faz por aqui”, sublinha Nelson Brito ao “CA”.

Mais que um evento agro-económico, a Feira do Campo Alentejano (FCA) é a “feira do orgulho” de Aljustrel?
É isso assumidamente! A FCA encerra 362 dias de trabalho, de muita execução por parte de toda a comunidade aljustrelense e nestes três dias demonstramos, aos nossos e a quem nos visita, o que de melhor se faz por aqui.

É uma feira com um forte pendor agrícola. Qual é, neste momento, o “peso” deste sector na realidade económica do concelho de Aljustrel?
O peso é cada vez maior e está em crescendo. Aliás, isso é notório – e Aljustrel acompanha essa tendência – no território EFMA [Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva], em que hoje a agricultura tem um peso grande. Digo mesmo que está em curso uma revolução agrícola no Alentejo, nomeadamente no Alentejo do Alqueva. Daí a região – e Aljustrel em concreto – ter hoje novos desafios.

Estando este sector a ganhar “peso” na economia local e regional, sente que este é um crescimento com bases, sustentável, ou existem riscos?
A agricultura que temos na área do Alqueva é uma agricultura de mercado, e essa agricultura está sujeita às regras e aos factores do mercado. Hoje o produto ‘y’ é valorizado pelos consumidores, mas amanhã saem três ou quatro estudos científicos e passa a ser um produto secundário ou não consumido… Mas o facto de termos terra, solo e água vai permitir uma variação e rotatividade de culturas. Aquilo que o mercado for pedindo, tenho a certeza que o Baixo Alentejo, com as condições infra-estruturais e o clima que tem, irá manter uma constância de capacidade de produção.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima