Presidente da CIMAA diz que central nuclear de Almaraz não é perigosa

Presidente da CIMAA diz que central

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), Armando Varela, considerou esta sexta-feira, 15, que a central nuclear de Almaraz, em Cáceres (Espanha), “não é uma ameaça grave” para Portugal, apesar de defender que o tema deve ser "discutido".
Recordando que “em todo o historial” da central “nunca houve” qualquer problema para Portugal, o presidente da CIMAA defendeu, contudo, que o tema deve ser “discutido” e as populações “esclarecidas”.
O presidente da CIMAA, que representa os 15 municípios do distrito de Portalegre, falava à Agência Lusa à margem de um seminário realizado no centro de congressos da cidade, subordinado ao tema “Energia Nuclear: Uma Realidade Próxima do Distrito de Portalegre".
A central nuclear de Almaraz, a funcionar desde o início da década de 80 do século XX, está situada junto ao Rio Tejo, na região espanhola de Cáceres, que faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre.
Armando Varela, também presidente da Câmara de Sousel, indicou que, no ano passado, foram feitas “visitas” por parte de representantes da protecção civil do Alentejo à central nuclear de Almaraz.
“Almaraz para nós (portugueses), neste momento, não constitui nem um problema, nem uma oportunidade, porque é um empreendimento da responsabilidade do Governo espanhol”, disse.
O autarca reconheceu, no entanto, que o funcionamento de uma central nuclear “oferece” riscos, mas considerou que o Governo português “não tem legitimidade” para solicitar ao congénere espanhol que encerre a central de Almaraz.
As autoridades espanholas tinham previsto o encerramento da central nuclear de Almaraz em Junho de 2010, mas o Governo de Madrid prolongou o prazo de funcionamento por mais 10 anos (até Junho de 2020).
Afirmando-se defensor das energias renováveis, o presidente da CIMAA congratulou-se com o facto de Portugal ter optado, ao longo dos anos, pela implementação de “energias mais limpas”.
“Se nós podemos produzir energia a partir de fontes renováveis é o ideal”, defendeu.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima