Preço da água sem aumentos no Roxo

Preço da água sem aumentos no Roxo

A seca sentida na região em 2017 e início de 2018 levou a maiores aduções do Alqueva ao Roxo, sem que tal se tenha reflectido no preço cobrado pela Associação de Beneficiários do Roxo (ABR) aos regantes pelo fornecimento de água. Uma situação que só foi possível devido ao facto de a ABR ter antecipado esse cenário e criado, há quatro anos, o Fundo de Estabilização Tarifária (FET).
Segundo explica António Parreira, “a água gravítica no Roxo custa aos agricultores 2,6 cêntimos por m3”, valor a que se teria de acrescer o valor pago pela ABR à EDIA pela água do Alqueva (2,4 cêntimos por m3). Contudo, com a criação do FET, a água do Roxo passou a custar 3,07 cêntimos/ m3 aos regantes, o que possibilitou à associação ter uma reserva financeira para agora compensar o aumento dos custos da água sem sobrecarregar os agricultores.
“Já tínhamos reservado algumas verbas para isso e foi possível financiar os agricultores. Aumentámos o preço da água de 2,6 cêntimos para 3,07 cêntimos/ m3, o que não causou grande mossa aos agricultores. Mas se não tivéssemos previsto isto, teríamos agora que aumentar muito o preço e isso era impossível para as culturas”, sublinha António Parreira.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima