PCP critica Governo por preparar reprogramação do QREN de “modo centralizado e autoritário”

PCP critica Governo por preparar reprogramação do QREN de “modo centralizado e autoritário”

O PCP do Alentejo acusa o Governo de preparar a reprogramação do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) de “modo centralizado e autoritário” e exigiu a reposição dos meios financeiros subtraídos aos municípios e à região.
“O Governo entregou em Bruxelas a reprogramação estratégica do QREN sem que estivesse concluído o processo de aprovação formal pelos órgãos competentes”, argumenta a Direcção Regional do Alentejo (DRA) do PCP, em comunicado.
Segundo o PCP, em relação a esse processo de reprogramação, o Governo “não deu informação atempada, nem possibilidades reais de discussão aos beneficiários, nem às entidades regionais e locais”.
Os comunistas acrescentam que o executivo do PSD/CDS-PP também “não promoveu qualquer forma de participação efectiva, ao arrepio das boas práticas e princípios, das regras democráticas e do simples bom senso”.
A DRA do PCP considera que a atitude do Governo “não surpreende”, já que “todo o processo de reprogramação decorreu sem a efectiva participação dos órgãos de acompanhamento nem das entidades regionais”.
“O processo de consulta e auscultação foi meramente formal e apenas as negociações a nível nacional, com a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), tiveram alguma importância e atenção”, pode ler-se no documento.
O PCP lamenta que a ANMP tenha aceitado que “o Governo rasgasse os Contratos de Gestão Delegada com as Comunidades Intermunicipais”, desviando as verbas “ainda disponíveis nas Subvenções Globais acordadas para os municípios para o ‘Impulso Jovem’ e para os sistemas de incentivos às empresas”.
“É óbvio que as empresas carecem de apoios, mas deveria ser também óbvio que o efeito dos investimentos públicos municipais é muito maior que os dos sistemas de incentivos a que a maioria destas empresas não consegue aceder ou não consegue usar”, defendem.
Nesse sentido, afiança a estrutura comunista, “basta comparar o nível de execução dos investimentos municipais com o dos investimentos privados apoiados pelo programa operacional InAlentejo para perceber isso”.
A DRA exige “a reposição dos meios financeiros subtraídos aos municípios e à região” e “a imediata retoma do processo normal de gestão, abertura de concursos, candidaturas, aprovações e contratos, com aumento da celeridade dos processos de apreciação e acompanhamento das operações”.
“O encurtamento dos prazos de pagamento aos beneficiários” e “o pagamento urgente dos aumentos da taxa de co-financiamento para 85 por cento” são outras das reivindicações do PCP.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima