PCP contesta plantação de eucaliptos no Alqueva

PCP contesta plantação

O PCP questionou o Governo sobre a eventual plantação de eucaliptos na área de influência do Alqueva, já defendida pelo presidente da empresa gestora do projecto.
A pergunta do deputado do PCP eleito por Beja, João Ramos, surge após uma notícia do jornal "Público", que referia que o presidente da EDIA, José Pedro da Costa Salema, é "favorável" à plantação de eucaliptos na área de influência do projecto, como forma de garantir a sustentabilidade do "regadio social", ou seja, de pequenas explorações agrícolas.
Segundo o presidente da EDIA, refere João Ramos, a plantação de eucaliptos na área do Alqueva num modelo de "produção intensiva" permitiria libertar outros territórios para "recuperação ambiental" e aumentar a produção e, desta forma, "atenuar a falta de matéria-prima" [madeira de eucalipto].
Na pergunta, dirigida ao Ministério da Agricultura, João Ramos refuta "por completo" a posição do presidente da EDIA, considerando que "parece, no mínimo, pouco sensato que se pretenda promover a produção de matéria-prima para uma indústria [a da pasta de papel] em que o país é mais do que auto-suficiente", "ignorando" produções "essenciais e estratégicas", que "podem ser produzidas nos perímetros de rega de Alqueva".

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima