Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo já acolhe 15 empresas

Parque de Ciência e Tecnologia

Quinze novas empresas, a maioria nas áreas da energia e Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), já estão a “incubar” no Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo (PCTA), em Évora.
A infra-estrutura, cujas instalações definitivas ainda nem estão em construção, “já tem 15 empresas, num total de 45 postos de trabalho”, adianta à Agência Lusa o director geral do PCTA, João Mateus.
“Apesar de estarmos provisoriamente na Casa Cordovil [edifício da Universidade de Évora], temos empresas já a trabalhar, algumas ainda em sistema de incubação virtual”, afirma o responsável.
O PCTA é uma das vertentes do Sistema Regional de Transferência de Tecnologia (SRTT), que envolve 21 parceiros, como a academia alentejana, os politécnicos de Beja, Portalegre e Santarém, empresas e outras instituições da região.
No âmbito do projecto, apoiado por fundos comunitários, a única obra em curso, para já, é a incubadora de empresas da Câmara de Évora, no Parque Industrial e Tecnológico (PITE), onde vai “nascer” o resto do parque.
“Nesta primeira fase, o PCTA envolve um investimento de 3,6 milhões de euros, dos quais 2,6 milhões destinam-se à construção” de instalações, diz à Lusa, acrescentando estar a decorrer o concurso público para essas infra-estruturas.
Mas, mesmo sem instalações próprias, o PCTA, cuja candidatura a apoios comunitários foi aprovada no final de 2012, já está “em marcha” e a maioria das 15 empresas que acolhe pertence a duas áreas.
Uma parte “significativa” está ligada “à energia, nomeadamente ao solar fotovoltaico e à eficiência energética”, até com a participação de “empreendedores estrangeiros”, seguindo-se “as Tecnologias de Informação e Comunicação”, refere João Mateus.
“Depois, temos uma empresa do agro-alimentar e outra, recém-chegada, ligada à biotecnologia”, disse.
No total, o PCTA está vocacionado para sete áreas: energia, TIC, mecatrónica (que tem a ver com os sectores automóvel e aeronáutico), materiais, agro-alimentar, biotecnologia e ambiente e sustentabilidade.
A empreitada de construção da primeira fase, que integra o edifício central, com espaço para a administração, salas de co-working, de pré-incubação e para empresas de serviços de suporte, deve ser lançada “no início do próximo ano”, prevê.
Já no período de vigência do próximo quadro comunitário de apoio, que arranca em 2014, o projecto prevê outro edifício, para empresas de média dimensão, e conta ainda com um terreno com 20 hectares, onde se poderão futuramente instalar empresas maiores.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima