Paço dos Henriques em Alcáçovas vai ser recuperado

Paço dos Henriques em

O Paço dos Henriques, edifício histórico onde foi assinado o Tratado de Alcáçovas e situado na vila alentejana do mesmo nome, vai ser recuperado e transformado em espaço cultural, num investimento de 1,2 milhões de euros.
O presidente da Câmara de Viana do Alentejo, Bernardino Bengalinha Pinto, revela à Agência Lusa que já foi elaborado um projecto de arquitectura para a recuperação do imóvel, que está "degradado" e que esteve ao "abandono durante muitos anos".
"O auto de cedência do imóvel foi assinado em 2011" entre a autarquia e o Estado, estando prevista a "utilização do edifício pela Câmara por 20 anos renováveis", o que permitirá ao Município "candidatar o projecto a fundos comunitários", refere.
Fundado no século XIII, o Paço dos Henriques serviu de residência real e foi palco de casamentos reais e da assinatura do Tratado de Alcáçovas em 1479, entre D. João II e os reis católicos, pondo fim à Guerra de Sucessão de Castela.
O edifício esteve sempre na posse de famílias ilustres, a última das quais a família dos Henriques, condes de Alcáçovas, tendo sido ocupado, a seguir ao 25 de Abril de 1974, por Unidades Colectivas de Produção (UCP).
Mais tarde, foi adquirido pelo Estado e, em 1993, classificado pelo Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (Igespar) como imóvel de interesse público.
Assinalando que "há quase 20 anos que se fala da recuperação" do Paço dos Henriques, o autarca realça que o edifício "tem acoplado um valor histórico muito grande".
É este valor histórico e patrimonial, acrescentou, que o município "pretende explorar", através da transformação do espaço num equipamento cultural.
A intervenção, adianta o autarca, vai permitir a reutilização do imóvel como biblioteca, posto de turismo, espaço museológico e núcleo documental, estando previsto o aproveitamento do pátio interior para actividades ao ar livre.
O presidente da Câmara de Viana do Alentejo diz que o Município aguarda agora a abertura de "novos avisos do Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]", o que deve acontecer em Setembro, para apresentar uma candidatura aos fundos comunitários.
"Se a candidatura for aprovada, entrará em obra ainda este ano", sendo que "os trabalhos têm de ficar concluídos até final de 2015", refere Bernardino Bengalinha Pinto.
O projecto de recuperação é da autoria do arquitecto José Filipe Ramalho, da Direcção Regional de Cultura do Alentejo.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima