Olival e amendoal são culturas rentáveis

Olival e amendoal

Observador atento da realidade agrícola do Alentejo, o presidente da ACOS-Agricultores do Sul considera que o regadio “tem perspectivas de futuro”, ao passo que o sequeiro “está igual ao que era há muitos anos atrás”.
De acordo com Rui Garrido, verifica-se uma tendência de preços “muito baixos” nas principais culturas anuais, o que leva os agricultores a fazerem “outro tipo de culturas”.
“Os sectores do azeite e da amêndoa, continuam de boa saúde financeira (na nossa região, estão plantados seis a sete mil hectares de amendoal). Portanto, o agricultor é levado a fazer este tipo de culturas permanentes – também se têm feito algumas nogueiras e outras fruteiras – em detrimento das culturas anuais”, nota o presidente da ACOS.
Rui Garrido sublinha ainda que dentro da pecuária “há uma fileira que se tem mantido estável nos últimos anos e que está relacionada com o porco alentejano”. “Já os bovinos e os ovinos mantêm-se aos preços que tinham aqui há muitos anos atrás”, acrescenta, concluindo que para uma exploração pecuária ser rentável no Alentejo “tem que ser extensiva, ter dimensão”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima