Novo presidente do Aljustrelense assume aposta na formação

Ricardo Galope
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A formação vai continuar a ser a aposta do Mineiro Aljustrelense no horizonte mais próximo, assume ao “CA” o novo presidente do emblema da “vila das minas”, Ricardo Galope, que sucede no cargo ao demissionário Emídio Charrua.

O ex-presidente demitiu-se em agosto e, na passada semana, em Assembleia Geral extraordinária, os associados do Mineiro Aljustrelense ratificaram a passagem do vice-presidente Ricardo Galope para a liderança, possibilidade que está prevista nos estatutos do clube.

“Os estatutos dizem que, em caso de demissão do presidente, pode subir [ao cargo] um dos três vice-presidentes e a atual direção, se tiver um mínimo de seis diretores, continuar em funções e terminar o mandato. Em reunião de direção, os meus colegas concordaram e avançamos para a Assembleia Geral [a 15 de setembro], onde isso foi discutido e aprovado”, explica Ricardo Galope.

O agora presidente do Mineiro Aljustrelense assume que, apesar desta mudança diretiva, o projeto do clube, “no essencial, vai-se manter”, com uma “forte aposta no futebol juvenil”.

“Quando a direção do Rui Saturnino [presidente entre 2018 e 2021] entrou – e da qual eu fazia parte – tínhamos à volta de 40 e poucos miúdos inscritos. Passados cinco anos dessa primeira eleição, temos à volta de 150 miúdos. E equipas em todos os escalões da formação”, observa Ricardo Galope.

O presidente dos “tricolores” diz mesmo que o plantel sénior desta temporada até já foi montado “a pensar nos juniores”. “É um plantel curto precisamente para ser ‘alimentado’ pelos juniores, para finalmente termos mais miúdos e mais gente da terra a jogar no Mineiro”, reforça.

E que ambições traça Ricardo Galope para a temporada 2022-2023 no que aos seniores do Mineiro Aljustrelense diz respeito? “Com todo o respeito que os nossos adversários nos merecem mas queremos ser campeões, pois isto é o Mineiro. E o Mineiro tem de ser sempre campeão distrital”, responde taxativamente.

Projeto do clube, “no essencial, vai-se manter”, com uma “forte aposta no futebol juvenil”, garante Ricardo Galope

Ricardo Galope está ligado há vários anos ao Mineiro Aljustrelense, primeiro como jogador e mais recentemente como dirigente, mas garante que nunca pensou vir a ser presidente do clube.

“Nunca me passou pela cabeça ser presidente do Mineiro… Nunca fez parte dos meus planos e nunca tinha pensado nisso até àquela assembleia geral em que me desafiaram”, diz ao “CA”.

Agora, assume, “o tempo é de trabalhar”, reconhecendo que o maior desafio é mesmo contrariar a falta de “recursos humanos”. “É muito complicado, pois somos poucos. Por isso, na assembleia geral, o apelo que fiz passou basicamente por aí, ou seja, para trazerem pessoas para nos ajudar, pois somos muito poucos”, diz.

Quanto à situação financeira do clube, Ricardo Galope garante que não existem dívidas e ainda há “subsídios por receber”. “Ou seja, a situação está estável e até diminuímos o orçamento no futebol sénior, porque temos que seguir a realidade que se vive no futebol distrital. Mas dentro das nossas limitações construímos um plantel à imagem do clube, com um treinador com quem nos identificamos. Acho que temos muito boa equipa”, conclui.

Opinião

Carlos Pinto

2 de Dezembro, 2022

Uma demora incompreensível

Vitor Encarnação

2 de Dezembro, 2022

Estágio

Carlos Pinto

18 de Novembro, 2022

Um homem que vai fazer falta

Napoleão Mira

18 de Novembro, 2022

Tempos de Mudança

Carlos Pinto

4 de Novembro, 2022

Matar o doente com a cura?

Vitor Encarnação

4 de Novembro, 2022

O Baile

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima