Novas descobertas no povoado do Outeiro do Circo

Novas descobertas no

O povoado do Outeiro do Circo (Beja), um dos mais importantes da Idade do Bronze Final, terá sido também ocupado na Idade do Ferro, indicam descobertas recentes.
As descobertas decorreram durante a campanha de escavações deste ano no povoado, que arrancou no passado dia 4 de Agosto e terminou na passada semana, no âmbito de um novo projecto de investigação arqueológica para "desvendar" a área habitacional do sítio e que irá decorrer até 2017 com campanhas todos os verões.
O "maior ponto de interesse" da campanha deste ano, numa zona interior e habitacional do povoado, foi a descoberta de "materiais de períodos que ainda não estavam documentados no Outeiro do Circo", sobretudo da Idade do Ferro, disse à Agência Lusa o director científico das escavações, o arqueólogo Miguel Serra.
"Tínhamos indícios de uma ocupação do Outeiro do Circo na Idade do Bronze Final e, nesta campanha, recolhemos muitos materiais que parecem já enquadrar-se no período posterior", ou seja, da Idade do Ferro, indicou.
O espólio de materiais recolhido terá de ser "estudado pacientemente", mas "parece indicar que ainda se terá mantido alguma comunidade a habitar ou, pelo menos, a usar o Outeiro do Circo após a Idade do Bronze Final, que terá sido o grande momento de ocupação do povoado", explicou.
Nas próximas campanhas, será necessário "alargar muito mais as áreas de escavação para tentar perceber melhor como é que se processou esta ocupação, se terá sido contínua e se foi a mesma comunidade que continuou a ocupar em várias épocas o Outeiro do Circo ou houve um abandono e depois uma ocupação mais reduzida", disse.
Além de materiais da Idade do Ferro, os arqueólogos descobriram "materiais muito residuais romanos e medievais", que indicam que o sítio foi "frequentado" nos períodos Romano e da Idade Média.
Segundo Miguel Serra, a Idade do Ferro "é um período que está documentado em zonas muito próximas do Outeiro do Circo, onde existem necrópoles e povoados daquele período, mas que, até ao momento, não estavam relacionados" com o povoado da Idade do Bronze Final.
Os materiais encontrados "levantam algumas questões que alguns autores já colocavam sobre a possibilidade de o Outeiro do Circo poder ter tido ocupações posteriores à Idade do Bronze Final, até porque está rodeado de sítios da Idade do Ferro, mas até ao momento ainda não se tinham encontrado vestígios desta época" no povoado, frisou.
Durante a campanha deste ano, os arqueólogos também descobriram um grande espólio de artefactos cerâmicos: “Revela mesmo estarmos no interior da principal área de densidade ocupacional do Outeiro do Circo", disse o arqueólogo.
Através do estudo do espólio, frisou, será possível "documentar um pouco melhor o quotidiano e os modos de vida das comunidades que habitaram o Outeiro do Circo há 3.000 anos durante a Idade do Bronze".
O projecto "O Povoado do Bronze Final do Outeiro do Circo (Beja)", no âmbito dos Projectos de Investigação Plurianuais de Arqueologia, é financiado pela Câmara de Beja.
O Outeiro do Circo, situado nas zonas de Beringel e Mombeja, no concelho de Beja, terá sido o grande centro de poder regional antes da cidade de Beja, que se desenvolveu a partir da Idade do Ferro, no século VII a.C.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima