“Na Terra dos Diamantes”. Uma viagem pela tradição musical de Odemira

Filme 'Na Terra dos Diamantes'

Uma viagem “cinematográfica” pelos “sons da tradição” do concelho de Odemira é o “mote” do filme “Na Terra dos Diamantes”, que estreia nesta sábado, 24, pelas 21h30, no cineteatro Camacho Costa.

Com direção artística e produção de Nuno Góis, a obra surge na sequência do filme “O Pão que a terra lhe dá – Tradição Oral do Concelho de Odemira”, lançado em 2022, e foca-se na tradição musical do concelho, juntando músicos e grupos locais a artistas provenientes de “outras geografias”.

“Não diria que é um díptico, porque são bem distintos os filmes. Aqui é um filme de viagem dentro do concelho de Odemira, onde um residente no concelho [Silvestre Martins] recebe uma série de amigos, que são músicos profissionais de outros sítios do país, que tocam instrumentos tradicionais diferentes do que habitualmente se ouve aqui e que vêm cá cruzar-se com músicos locais”, explica Nuno Góis.

Para este responsável, trata-se de “um filme sensível, em que se percebe a maneira como estas pessoas do concelho de Odemira, especialmente os mais antigos, recebem de braços abertos este tipo de propostas e a grande conexão que houve com os que vieram de fora”.

A par disso, acrescenta, a obra mostra “a beleza que o concelho tem”, sempre “guiada” pelo músico Silvestre Martins. “É ele que faz a ponte entre toda a gente, que viaja pelo concelho e que mistura os músicos que vêm de fora com os músicos locais”, diz Nuno Góis.

trata-se de “um filme sensível, em que se percebe a maneira como estas pessoas do concelho de Odemira, especialmente os mais antigos, recebem de braços abertos este tipo de propostas e a grande conexão que houve com os que vieram de fora”, diz Nuno Góis

Com direcção artística e produção de Nuno Góis, direcção de fotografia de Fábio Mestrinho e coordenação musical de Rui Santos, “Na Terra dos Diamantes” é uma produção Zut!, que foi financiada pelo programa de apoio à atividade cultural da Câmara de Odemira.

O projeto teve ainda os apoios das juntas de freguesia de Vila Nova Milfontes, São Teotónio, São Martinho das Amoreiras, São Luís, Luzianes-Gare e Colos, assim como do Duna Parque Group.

Além de Silvestre Martins, o filme conta com a participação dos grupos Coral de Vila Nova de Milfontes, Ceifeiras do Malavado, Cá Se Canta – Coral Infantil de Odemira, Gentes do Alto Mira e Atar e Pôr ao Fumeiro, assim como de Daniel Luz, dos alunos do Centro da Valorização da Viola Campaniça, de José Diogo Bento e alunos, do “mestre” Banza e Fontaínhas, e do cantador de baldão Florêncio Maria (e amigos).

A estes juntaram-se uma dezena de artistas convidados, nomeadamente Tiago Morais, Nuno Silva, Marco Oliveira, Rui Santos, Rafael Gomes, Carlos Abrunheiro, Helena Madeira, Dimitris Andrikoupolos, Jorge Serafim e Daniel Pereira Cristo.

Depois da estreia, neste sábado, 24, o filme passará a ser propriedade da Câmara de Odemira, estando prevista a sua exibição na rede social Youtube. Está igualmente delineado que a obra possa “percorrer o concelho”, sendo apresentado em lares e escolas.

Opinião

Carlos Pinto

12 de Abril, 2024

Valerá tudo por tática política?

Napoleão Mira

12 de Abril, 2024

Por Fim… A Liberdade!

Luís Menezes

5 de Abril, 2024

FIGURAS DE ONTEM DO ALENTEJO: Domingos Garcia Peres (1812-1902)

Carlos Pinto

28 de Março, 2024

Valorizar o que é nosso

Vitor Encarnação

28 de Março, 2024

Insónia

Luís Menezes

22 de Março, 2024

FIGURAS DE ONTEM DO ALENTEJO: Francisco Martins Pulido (1815-1876) 

Anterior
Seguinte

EM DESTAQUE

ULTIMA HORA

Role para cima