Milhares de bejenses no último adeus às vítimas do tripl-homicídio de Beja

Milhares de bejenses no último adeus às vítimas do tripl-homicídio de Beja

Alguns milhares de pessoas participaram esta quarta-feira, 15, ao principio da tarde no funeral das três vítimas de homicídio de Beja, que decorreu sob forte emoção no cemitério da cidade.
Após a missa de corpo presente, rezada no interior da capela da casa mortuária pelo padre António Cartageno, perante as urnas fechadas, os caixões das duas vítimas adultas foram transportados para o interior de dois carros funerários para percorrerem o curto trajecto até ao cemitério.
A urna da criança de quatro anos foi transportada em mão por familiares.
Já no interior do cemitério, após uma curta bênção, milhares de pessoas prestaram a última homenagem às três vítimas.
Entretanto, o suspeito do crime chegou ao Tribunal da cidade cerca das 13h50 para ser interrogado por um juiz de instrução criminal.
À chegada, dezenas de cidadãos que se concentraram no local gritaram "assassino", "monstro", "palhaço" e frases como “estás enterrando a família, bandido”.
O homem foi transportado dos calabouços da PSP numa carrinha policial para o edifício do tribunal, onde deu entrada por uma porta das traseiras.
O alegado homicida vai ser interrogado por um magistrado do Ministério Público e por um juiz de instrução criminal, que irá definir os crimes por que estará indiciado e decretar as medidas de coação.
À chegada ao tribunal, o comandante da PSP de Beja, o superintendente Viola da Silva, disse que o homem esteve sempre vigiado nos calabouços da polícia para evitar que cometesse "um ato tresloucado", alegando que se trata de "um crime bárbaro".
Recorde-se que Francisco Esperança, de 60 anos, é o suspeito de ter matado a mulher Benvinda, a filha Cátia e a neta Maria, e foi detido na segunda-feira à noite na sua casa, em Beja, onde foram encontrados os cadáveres.
O suspeito do triplo homicídio entregou-se por volta das 19h40 à PSP, sem oferecer qualquer resistência.
Os elementos policiais, após a detenção, entraram na casa, na Rua de Moçambique, onde encontraram os cadáveres da mulher, de 53 anos, da filha, de 28, e da neta, de quatro.
Segundo o resultado das autópsias, realizadas na terça-feira, 14, as três vítimas foram mortas "há vários dias, no máximo há uma semana", apresentando "múltiplos golpes" no pescoço e "noutras partes do corpo".
Fonte policial já tinha relatado à Lusa que as vítimas foram degoladas, há cerca de uma semana, com golpes no pescoço efectuados com uma catana.
O alegado homicida é um antigo bancário, que já tinha cumprido pena de prisão por um desfalque no banco onde trabalhava.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima