Matadouro do Litoral Alentejano deverá começar a funcionar na Primavera

Matadouro do Litoral Alentejano deverá começar a funcionar na Primavera

O Matadouro do Litoral Alentejano (MLA), uma aspiração antiga de produtores de gado locais, deverá começar a funcionar em Março ou Abril deste ano no concelho de Odemira, após um investimento de quase cinco milhões de euros, disse hoje à Lusa o administrador do MLA, Pedro Guerra.
O MLA, que irá criar "cerca de 25 postos de trabalho directos", já começou a recrutar pessoal e está a desenvolver o seu plano de exploração, nomeadamente a contactar produtores de gado para “divulgar serviços” e, desta forma, “articular a oferta com a procura”, precisou.
Segundo Pedro Guerra, o MLA de pequena/média dimensão vai ter três linhas de abate diferenciadas, com capacidade para abater por hora 15 bovinos, 100 leitões ou 90 porcos, borregos ou cabritos, e está equipado com "a mais moderna tecnologia" para "rentabilizar ao máximo" a infraestrutura e "melhorar a qualidade do produto".
Situado na localidade de Fornalhas Velhas, na freguesia de Vale Santiago, no interior do concelho de Odemira, o MLA é uma “aspiração antiga” de criadores de gado e produtores de carne locais, que percorrem “longas distâncias” para abater animais nos matadouros mais próximos, situados em Beja, Monforte, Montijo e Setúbal, disse José Alberto Guerreiro, presidente da Câmara de Odemira. A autarquia é um dos accionistas da sociedade gestora do MLA.
O matadouro, frisou, é "fundamental para o desenvolvimento da fileira da carne" no Baixo Alentejo e no Algarve, onde só há uma unidade de abate, situada em Beja, desde Julho de 2007, quando a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fechou o Matadouro Regional do Algarve, em Loulé, frisou.
Nestas circunstâncias, o MLA é "necessário e importante" e "vai permitir aos produtores abater o seu gado numa unidade mais perto e negociá-lo sem ser vivo".
O autarca destacou a "localização estratégica" do MLA, perto do acesso à auto-estrada do Sul (A2) e do Itinerário Principal 1 (IP1), vias que ligam Lisboa ao Algarve, e da fábrica de desmanche de porcos de raça alentejana da localidade de Garvão (Ourique).

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima