Matadouro do Litoral Alentejano deverá começar a funcionar na Primavera

Matadouro do Litoral Alentejano deverá começar a funcionar na Primavera

O Matadouro do Litoral Alentejano (MLA), uma aspiração antiga de produtores de gado locais, deverá começar a funcionar em Março ou Abril deste ano no concelho de Odemira, após um investimento de quase cinco milhões de euros, disse hoje à Lusa o administrador do MLA, Pedro Guerra.
O MLA, que irá criar "cerca de 25 postos de trabalho directos", já começou a recrutar pessoal e está a desenvolver o seu plano de exploração, nomeadamente a contactar produtores de gado para “divulgar serviços” e, desta forma, “articular a oferta com a procura”, precisou.
Segundo Pedro Guerra, o MLA de pequena/média dimensão vai ter três linhas de abate diferenciadas, com capacidade para abater por hora 15 bovinos, 100 leitões ou 90 porcos, borregos ou cabritos, e está equipado com "a mais moderna tecnologia" para "rentabilizar ao máximo" a infraestrutura e "melhorar a qualidade do produto".
Situado na localidade de Fornalhas Velhas, na freguesia de Vale Santiago, no interior do concelho de Odemira, o MLA é uma “aspiração antiga” de criadores de gado e produtores de carne locais, que percorrem “longas distâncias” para abater animais nos matadouros mais próximos, situados em Beja, Monforte, Montijo e Setúbal, disse José Alberto Guerreiro, presidente da Câmara de Odemira. A autarquia é um dos accionistas da sociedade gestora do MLA.
O matadouro, frisou, é "fundamental para o desenvolvimento da fileira da carne" no Baixo Alentejo e no Algarve, onde só há uma unidade de abate, situada em Beja, desde Julho de 2007, quando a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fechou o Matadouro Regional do Algarve, em Loulé, frisou.
Nestas circunstâncias, o MLA é "necessário e importante" e "vai permitir aos produtores abater o seu gado numa unidade mais perto e negociá-lo sem ser vivo".
O autarca destacou a "localização estratégica" do MLA, perto do acesso à auto-estrada do Sul (A2) e do Itinerário Principal 1 (IP1), vias que ligam Lisboa ao Algarve, e da fábrica de desmanche de porcos de raça alentejana da localidade de Garvão (Ourique).

Partilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima