Marvão volta a apresentar candidatura à Unesco

Marvão volta a apresentar

A Câmara de Marvão vai avançar com uma nova candidatura a Património Mundial pela Unesco, após ter assegurado financiamento para a elaboração do dossier, disse à Lusa o vereador José Manuel Pires.
“Vamos lançar uma nova estratégia sobre a candidatura. Nunca estivemos apetrechados em termos de equipa para que seja um projecto ganhador”, admitiu o vereador.
De acordo com o autarca, a apresentação do novo projecto vai ocorrer esta sexta-feira, 6, na Câmara Municipal de Marvão.
“A equipa que vai estar a trabalhar connosco trabalhou com a candidatura da ilha do Pico, do Douro vinhateiro e está também a trabalhar na candidatura do montado, uma equipa que oferece toda a confiança”, sublinhou.
O financiamento para a candidatura de Marvão a Património Mundial pela Unesco foi adquirido através do programa InAlentejo, que comparticipa o projecto em “85 por cento” sendo que a elaboração do dossier implica um investimento de “200 mil euros”.
A candidatura a Património Mundial pela Unesco conta com o apoio da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e do embaixador de Malta na Unesco e presidente do Comité Internacional das Cidades Históricas (CIVVIH), organismo integrado no Conselho Mundial de Monumentos e Sítios (ICOMOS),Ray Bondin.
Marvão decidiu retirar a candidatura a Património da Humanidade, em Junho de 2006, para evitar a sua anulação, depois de o ICOMOS (Conselho Mundial de Monumentos e Sítios), um órgão consultivo da UNESCO que propõe os bens para a classificação de Património Cultural da Humanidade, ter dado parecer negativo.
Conquistada aos Mouros por D. Afonso Henriques, recebeu o primeiro foral, concedido por D. Sancho II, em 1226.
A sua importância como centro militar foi testada nos séculos XII e XIII e mais tarde serviu de "sentinela" atenta às disputas territoriais com Castela.
Do seu vasto património cultural consta o castelo (Monumento Nacional), uma imponente obra da arquitectura militar, cuja actual configuração remonta, em grande parte, ao reinado de D. Dinis.
Realce também para a Rua do Espírito Santo (Antiga Rua Direita), onde ainda se conserva a casa do Governador, além dos ferros forjados em destaque nos varandins graníticos.
A Igreja do Espírito Santo, com um portal renascentista e uma janela Manuelina, e o Pelourinho do século XVI (Imóvel de Interesse Público) fazem igualmente parte do património local, tal como o Convento de N. S. da Estrela, por onde passou a ordem dos Franciscanos.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima