Mandato com balanço positivo na Junta de Freguesia da Salvada

Mandato com balanço positivo na Junta de Freguesia da Salvada

Já lá vão quase três anos desde que Sérgio Engana assumiu a presidência da Junta de Freguesia da Salvada e o balanço é, na opinião do jovem autarca eleito pela CDU, bastante positivo, apesar das actuais “dificuldades financeiras” e dos diversos “condicionalismos” com que se debate a edilidade.
“Faço um balanço muito positivo destes anos de mandato, pois contornados os problemas, foram feitas opções de gestão controlada e redefinidas as prioridades, por forma a dar corpo a concretizações importantes”, vinca ao “CA” o autarca salvadense, assegurando que a Junta de Freguesia “continuou a assegurar nestes anos uma relação de proximidade com os seus munícipes”, ao mesmo tempo que defendeu a “manutenção na freguesia de um conjunto de instituições e serviços indispensáveis à vida da mesma em níveis de qualidade significativa”.
Durante este período, Sérgio Engana admite que a “primeira e grande prioridade” tem sido “a gestão de controlo orçamental” da Junta de Freguesia, “não colocando completamente em risco o seu plano de actividades” e salvaguardando “a saúde financeira indispensável ao normal desempenho das suas competências”.
Uma atitude que permitiu o desenvolvimento de obras como a construção de 24 novos gavetões no cemitério local, a remodelação da casa mortuária, a requalificação de algumas artérias, a manutenção da Semana Cultural e a disponibilização de um serviço de colheita de análises na freguesia, além de ter possibilitado, através da Fundação Joaquim Honório Raposo, o rastreio de carenciados e a distribuição de géneros nas freguesias de Salvada, Cabeça Gorda e Quintos.
Para o próximo ano, Sérgio Engana espera avançar com as renovações das ruas Nova do Paço e, possivelmente, da Igreja, assim como com a instalação de painéis solares no perímetro florestal local, o que implicará uma candidatura ao Programa de Desenvolvimento Rural (Proder) por parte das juntas de Freguesia de Salvada e Cabeça Gorda.
Ao mesmo tempo, e dadas as características da freguesia, Sérgio Engana defende que as valências de educação pré-escolar e para idosos existentes na Salvada recebam da Segurança Social “as medidas tendentes à sua melhoria e dimensionamento”.
Consciente da “exigência” dos tempos actuais, o autarca da Salvada promete dar continuidade à sua “gestão de proximidade”, ouvindo as pessoas e as suas necessidades, ao mesmo tempo que pretende manter o “equilíbrio financeiro” das contas da Junta de Freguesia e da Fundação, que por inerência é administrada pela edilidade.
A reforma do mapa autárquico também não passa ao lado das preocupações de Sérgio Engana, que critica o Governo por ser o único que “parece não perceber a identidade das freguesias e a sua importância”, ao contrário dos elementos das assembleias e das juntas de freguesia, que “tudo farão para manter a sua freguesia”.
“A comunidade tem uma história e os seus eleitores e eleitos uma relação a preservar, a bem da solução de problemas e necessidades”, justifica.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima