Jerónimo de Sousa considera que adiamento da regionalização era uma decisão esperada

Jerónimo de Sousa considera que adiamento da regionalização era uma decisão esperada

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou domingo, em Grândola, que o adiamento da regionalização era uma decisão esperada, porque nem o PS nem o PSD pretendiam avançar com o processo na actual legislatura.
“Há muito tempo que tanto PS como PSD muitas vezes punham (…) lebres de corrida a falar de regionalização, quando, um e outro, já tinham decidido que, nesta legislatura, não existiria nenhum processo de regionalização”, disse Jerónimo de Sousa.
“Agora, a perspectiva é distender esse prazo, esse tempo, impedindo assim a concretização daquilo que é constitucional, de um referendo sobre a regionalização”, acrescentou.
O líder comunista, que falava aos jornalistas em Grândola, no final dos trabalhos do 14.º Encontro Nacional de Quadros do Alentejo, reagiu desta forma ao anúncio público de que a moção de estratégia do secretário-geral do PS, José Sócrates, ao congresso de Abril, parte do pressuposto que não estão reunidas condições para um referendo na actual legislatura.
Para Jerónimo de Sousa, trata-se de uma posição que penaliza algumas regiões do País, onde é necessário definir um novo quadro administrativo.
“As populações de certas regiões precisam de uma definição em termos de tratamento administrativo e creio que a regionalização – num quadro de dificuldades tremendas como acontece no Alentejo e no Algarve – poderia ser um contributo para o desenvolvimento regional”, defendeu.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima