Igreja de Messejana de novo assaltada

Igreja de Messejana

A ermida de Nossa Senhora da Assunção, em Messejana, voltou a ser assaltado, tendo o retábulo ficado em más condições e desaparecido o sino que se encontrava no campanário.
O caso, denunciado agora pelo Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA) da Diocese de Beja, remonta a finais de Novembro, tendo o alerta sido dado por funcionários da Câmara de Aljustrel que realizavam tarefas de rotina nos arredores do monumento,
Segundo o DPHA, “talvez por terem sido surpreendidos antes de concluírem a rapina, os ‘amigos do alheio’ abandonaram, ao desbarato, peças de talha e outros elementos que tinham acabado de cortar”, tendo o retábulo ficado “em péssimo estado”.
“Não houve tanta sorte porém com o único sino que permanecia nos campanários da igreja. Quando o pároco, padre Luís Fernandes, tomou conta da ocorrência, foi alertado por populares para o desaparecimento desta peça de grandes dimensões, fundida no século XVIII, cujo peso se estima em mais de meia tonelada”, conta o DPHA, defendendo que para o retirarem do local “terão sido necessários pelo menos três pessoas, uma parafernália de cabos e roldanas e algumas horas de trabalho”.
“O isolamento do sítio e a falta de vigilância tornou este um crime quase perfeito. Teme-se agora que o sino, em bronze muito puro, possa vir a ser fundido, talvez já na vizinha Espanha”, acrescenta.
Tudo isto leva o director d DPHA, José António Falcão, a afirmar que o futuro do monumento depende, agora, “de uma acção concertada entre as autoridades locais, o Ministério da Cultura, a Paróquia e a Diocese para salvar o edifício”.
“Só a existência de uma estratégia para o acompanhamento e a visita das igrejas isoladas pode ajudar a reduzir estes atentados. Não podemos continuar a defender que o culto basta para manter os edifícios religiosos abertos, ele precisa de agir a par de outras medidas, culturais e turísticas. Seria muito interessante que a área do Campo Branco desse corpo a uma iniciativa neste âmbito”, argumenta.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima