Homem que matou irmã por herança começou a ser julgado em Évora

Homem que matou irmã por herança

O julgamento de Guilherme Páscoa, acusado de ter matado a irmã Ana Bívar, antiga subdiretora do Igespar, começou esta terça-feira, 12, em Évora com o relato emotivo de uma irmã, também ferida, dos pormenores do homicídio, na ausência do arguido.
Guilherme Páscoa, de 42 anos, em prisão preventiva no Hospital Prisional de Caxias, remeteu-se ao silêncio após ouvir a acusação de dois crimes de homicídio qualificado de duas irmãs, um consumado e outro na forma tentada, incorrendo na pena máxima de 25 anos de prisão.
O caso remonta a 30 de Maio de 2012, em Évora, com Guilherme Páscoa a ser acusado de ter matado à facada a irmã Ana Bívar, 51 anos, então sub-directora no Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (Igespar) e mulher do deputado do PSD António Prôa, e de ter tentado assassinar uma outra irmã, Marta Páscoa, de 44, após as ter atropelado, devido a questões relacionadas com partilhas e uma herança desta família do Alentejo.
No Tribunal Judicial de Évora, Marta Páscoa solicitou prestar declarações na ausência do arguido e irmão, ao que o presidente do colectivo acedeu, apesar da oposição da defesa.
Durante o interrogatório, Marta Páscoa chorou várias vezes ao recordar os pormenores dos crimes, em particular, do assassinato da irmã, que, na altura, disse, "estava a falar ao telemóvel com o marido", o deputado social-democrata António Prôa.
"Acabámos de ser atropeladas pelo meu irmão", terá dito Ana Bívar ao marido, segundo o relato da irmã, que ficou com "lesões" e "psicologicamente afectada" na sequência dos crimes.
Marta Páscoa enumerou os bens da família e confirmou a existência de uma procuração que o arguido tinha para representar a mãe em negócios familiares, que foi revogada dias antes dos crimes.
Segundo disse, três fracções da Herdade da Lezíria, em Alcácer do Sal, foram vendidas entre 2004 e 2011, por um valor total de 860 mil euros, pelo irmão, com recurso à procuração da mãe.
Relatou ainda que era o irmão quem geria os recursos financeiros da mãe e que esta, "desde o Verão de 2011, não tinha dinheiro", tinha a "electricidade cortada por falta de pagamento" na casa onde vivia no centro de Évora e apresentava "falta de alimentação".
Durante a manhã desta terça-feira foram também interrogados três inspectores da Polícia Judiciária que estiveram envolvidos nas investigações.
O marido da vítima, António Prôa, que se constituiu assistente, tal como Marta Páscoa, recusou prestar declarações aos jornalistas, enquanto o advogado de defesa, Manuel Luís Ferreira, apenas disse que o arguido "está medicado" e "aparentemente calmo", afastando avançar com a sua estratégia de defesa.
Guilherme Páscoa, figura do meio equestre e que terá matado a irmã Ana Bívar com um golpe na jugular, não requereu a instrução do processo.
O homem terá esfaqueado as duas irmãs, após as ter atropelado, tendo uma delas, Ana Bívar, acabado por morrer no Hospital de Évora, enquanto Marta Páscoa sofreu ferimentos ligeiros e teve alta hospitalar horas depois.
Após o crime, no Bairro do Granito, nos arredores de Évora e perto da casa de Marta Páscoa, o alegado homicida encetou fuga, mas entregou-se no dia seguinte num posto da GNR na zona de Alenquer, a sua área de residência.
Guilherme Páscoa mora na zona de Alenquer, Ana Bívar morava em Lisboa e a outra irmã ferida reside no bairro do Granito, em Évora, onde ocorreram os crimes.
O atropelamento, seguido de esfaqueamento, ocorreu na rua Dr. César Baptista, no Bairro do Granito, na periferia da cidade, onde o suspeito esperou, alegadamente, cerca de três horas no interior de um automóvel.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima