Governo defende que modelo de negócio do aeroporto de Beja deve ser o desenvolvimento industrial

Governo defende que modelo de negócio do aeroporto de Beja deve ser o desenvolvimento industrial

O aeroporto de Beja deve continuar a fazer parte da ANA – Aeroportos de Portugal, mas o modelo de negócio deverá ser mais direccionado para o desenvolvimento industrial, afirmou o secretário de Estado dos Transportes.
Sérgio Monteiro falava à Agência Lusa na sequência do relatório do grupo de trabalho criado para definir uma estratégia para o aeroporto de Beja, que foi entregue ao Governo na passada quinta-feira, 6.
Sem querer adiantar as propostas que constam do relatório, porque ainda está a ser analisado pelo Executivo, o governante disse apenas que “é apontado como muito importante que a infra-estrutura aeroportuária continue a fazer parte do portefólio da ANA”.
“Uma das visões estratégicas apontadas é que não seja descurada a visão local e regional desta infra-estrutura, mas olhada como parte de um todo integrante da realidade nacional. E é obviamente algo que o Governo terá em consideração no âmbito do processo de privatização da ANA que está em execução”, afirmou.
O secretário de Estado destacou ainda como um dos “aspcetos mais relevantes” do relatório a alteração do paradigma de negócio daquele aeroporto.
“O anterior [paradigma] assentava num aeroporto que tinha como base de sustentação de negócio os passageiros, o número de visitantes da região ligados a serviços e agora parece consensual para as forças vivas ouvidas que um <i>cluster</i> mais industrial de ou determinados sectores de actividade poderia fazer mais sentido para a rentabilização mais rápida da infra-estrutura”, afirmou.
“Portanto, a mudança de paradigma de passageiros para uma lógica mais de negócio, mais de desenvolvimento industrial e de mais alguns <i>clusters</i> parece ser consensual. E esse é um aspecto que me parece extraordinariamente relevante porque se demonstrou este ano que a vertente de passageiros nunca permitiria a rentabilização dessa infra-estrutura”, acrescentou Sérgio Monteiro.
O governante destacou ainda o “amplo consenso” criado pelo grupo de trabalho em relação à futura estratégia para o aeroporto de Beja.
“Foi uma alteração muito significativa em relação ao momento anterior à criação deste grupo de trabalho, onde parecia haver menos consonância de posições do que aquilo que existe agora”, afirmou.
“O grupo de trabalho serviu para unir as forças da região na mesma visão estratégia relativamente ao desenvolvimento da infraestrutura”, acrescentou Sérgio Monteiro.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima