Finanças da CM Almodôvar preocupam António Bota

Finanças da CM Almodôvar

O novo presidente da Câmara de Almodôvar está preocupado com o valor da dívida a médio e longo prazo que a autarquia tem à banca e que ascende a 6,4 milhões de euros.
“É claro que isto me preocupa! Iremos pagar nos próximos quatro anos, no mínimo, acima de 90 mil euros só em juros. E com 90 mil euros a autarquia pode fazer muita coisa”, frisou António Bota durante a entrevista concedida esta quarta-feira, 13, à Rádio Castrense (Castro Verde).
De acordo com o autarca socialista, a situação financeira da Câmara de Almodôvar “não está má”, mas “deixa um bocadinho a desejar”.
“Neste momento temos, em compromissos de trabalhos, 14 milhões de euros. E destes, cerca de quatro milhões estão ainda por pagar. Portanto, a Câmara em 2013, pagou em obras cerca de 10,7 milhões de euros. Mas ainda continuam quatro milhões por pagar”, argumenta António Bota, garantindo que os projectos em causa estão “colocados para apoio financeiro no QREN e outros programas do género”.
“Mas neste momento, aprovados, temos 1,5 milhões de euros. O anterior executivo também falava em mais de 4,5 milhões de euros aprovados. Mas são 4,5 milhões de euros submetidos! Desses 4,5 milhões de euros não sabemos o que será aprovado. Um milhão e meio já está aprovado. E nós temos compromissos contratuais com fornecedores em que teremos, quando estes terminarem as obras, que lhes pagar quatro milhões de euros”, diz o autarca.
Tudo isto leva o edil do PS a assumir que, afinal, a Câmara de Almodôvar não está “numa situação financeira invejável”.
“Se devemos 6,4 milhões de euros à banca a médio e longo prazo – pagando juros todos os dias –, e se temos comprometidos cerca de quatro milhões de euros, em que o dinheiro terá de entrar na Câmara depois das obras serem completadas para se pagar, temos de ter alguma preocupação”, afiança António Bota, deixando a garantia de que a autarquia almodovarense não ficará a “dever nada a ninguém”.
“A Câmara de Almodôvar tem a fama de pagar bem e continuará com a mesma fama. Mas a Câmara não ficou liberta de dívidas, antes pelo contrário. Ficou com situações financeiras por resolver e que nós, naturalmente, iremos resolver. Mas a imagem de limpeza, de sanidade financeira e de zero dívidas não corresponde à verdade”, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Escola Mário Beirão reabre em Beja

A Escola Básica Mário Beirão, em Beja, reabre esta segunda-feira, 27, para os alunos dos ensinos pré-escolar e primeiro ciclo, depois que as inundações provocadas

Role para cima