Festival Sudoeste "ajuda" comércio na Zambujeira do Mar

Festival Sudoeste "ajuda"

O Festival Sudoeste, que decorre na Zambujeira do Mar, é visto como um evento positivo para o comércio local, ainda que haja opiniões divididas em relação ao seu impacto.
Num mini-mercado no centro da vila, Maria Francisca Nobre afirma que faz "mais num dia, agora, do que num mês ou dois no Inverno”, acrescentando depois que os dias do Sudoeste talvez sejam até mais lucrativos do que a totalidade da estação baixa.
“O festival está muito melhor, mas retirou a qualidade que a Zambujeira do Mar tinha”, explica Hélder Alão, gerente de um café-restaurante há cerca de 24 anos, referindo-se ao que considera ser a diminuição de um tipo de cliente com poder de compra, que viajava até à zona com a família, e que passou a fazê-lo para outras localidades, devido ao festival.
Para Vitória Albino, residente na Zambujeira do Mar, as opiniões “dependem de cada pessoa”, mas acrescenta que sempre gostou do evento, no qual as filhas são presença habitual.
“Para mim, não me incomoda. Gosto disto, são simpáticos, não há nada que contrariar”, diz Vitória Albino, recordando que as infra-estruturas do festival são hoje muito melhores do que eram no início.
Maria Vitória Soares, por seu lado, nunca foi ao recinto, ao contrário dos elementos mais novos da sua família.
A viver na Zambujeira do Mar há cerca de duas décadas, Maria Vitória afirma que o festival “dá outra vida” à vila e que é positivo “pelos comerciantes”, mas nota que “o resto é barulho”.
Numa marisqueira na rua central da Zambujeira do Mar, Vítor Duarte realça que, para o seu estabelecimento, o impacto do Sudoeste “ainda não começou”, estando à espera do fim-de-semana, mas sem expectativas, uma vez que “é muita gente jovem”, que não procura gastar muito na restauração.
“Não é tão bom como dizem, nem é tão péssimo como dizem”, resume Vítor Duarte.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima