Fecho de extensões de saúde no Litoral Alentejano motiva críticas

Fecho de extensões de saúde no Litoral Alentejano motiva críticas

O encerramento de cinco extensões de saúde no Litoral Alentejano mostra o "constante desinvestimento" dos dois últimos governos nesta área, disse à Agência Lusa um dos membros das comissões de utentes de saúde da zona.
Segundo Dinis Silva, das Comissões de Utentes de Saúde do Litoral Alentejano, a situação teve início durante o anterior Governo, de maioria PS, e mantém-se com a actual coligação PSD/CDS-PP.
Até agora, são três os concelhos afectados pelo encerramento de extensões de saúde: Alcácer do Sal (Barrancão e Montevil), Grândola (Canal Caveira) e Santiago do Cacém (Deixa-o-Resto e São Francisco da Serra).
Contudo, com a reorganização da rede de cuidados primários de saúde, Dinis Silva teme que a situação fique "pior do que está", pois prevê-se que venham a ser encerradas todas as extensões de saúde com menos de 1.500 utentes inscritos.
Entretanto, o Município de Alcácer do Sal, de maioria PS, assumiu estar contra o fecho de duas extensões de saúde no concelho (Montevil e Barrancão) por considerar que tal representa “uma clara demissão da Administração Central”.
Segundo o Município, que aprovou por unanimidade esta posição, a decisão de fechar aqueles serviços nega “direitos aos mais pobres e desprotegidos” e aos “que vivem longe dos grandes centros urbanos”.
A autarquia diz estar “consciente das sérias dificuldades” económicas e financeiras do país e da “necessidade urgente e inadiável” de reduzir a despesa pública.
Mas esta poupança, sustenta, não pode ser feita “de forma cega e distante, prejudicando uma população maioritariamente envelhecida, fragilizada e de parcos recursos económicos, como acontece nestas duas aldeias do concelho de Alcácer do Sal”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima